Arquivo do blogue

quarta-feira, 2 de setembro de 2009

A MEDIAÇÃO UNIVERSAL DE MARIA SANTÍSSIMA –


maria5

A MEDIAÇÃO UNIVERSAL

DE MARIA SANTÍSSIMA.

Parte XII.

O Poder da Mediadora.

1 – Testemunho de um sacerdote:

Era uma quinta-feira. Ao meio do jantar, Gema Galgani, pressentindo o êxtase, levantou-se da mesa e retirou-se tranquilamente para o quarto.

Pouco depois, Dona Cecília, sua mãe adotiva, chamou-me. Segui-a e encontrei a donzela em pleno êxtase, na ocasião em que tratava com a Justiça Divina uma viva luta, cujo fim era a conversão e salvação de um pecador. Confesso que em minha vida nunca assisti a um espetáculo tão comovedor.

Gema extática (pelo estado espiritual do êxtase), sentada sobre o seu pobre leito, voltava os olhos (o rosto), toda sua pessoa para o ponto do quarto em que o SENHOR se encontrava. Comovida, mas sem agitação, mostrava-se resoluta na atitude de uma pessoa que discute e que quer vencer a todo custo.

Começou assim: “Já que viestes, JESUS, pedir-vos-ei de novo pelo meu pecador. É vosso filho e meu irmão, salvai-o, ó JESUS!” E disse o nome do pecador.

Era estrangeiro. Ela o tinha conhecido em Luca e muitas vezes, levada por uma inspiração interior, tinha-o advertido, de viva voz e por escrito, que pusesse em ordem a sua consciência e não se contentasse com a fama de cristão, de que gozava entre o povo.

Ora, JESUS, surdo às recomendações de sua amada serva, parecia decidido a tratá-lo como Justo Juiz. Gema continuou sem desanimar:

“Por que é que hoje não me ouvis, ó JESUS? Tanto fizestes por uma só alma e a esta recusais salvá-la? Salvai-a, JESUS, salvai-a. Sede bom, JESUS, não me faleis assim. Na boca de quem é a própria misericórdia, esta palavra “EU o abandono” não soa bem; não deveis pronunciá-la. Vós derramastes sem medida o Vosso Sangue pelos pecadores, e agora quereis medir a quantidade dos nossos pecados? Não me ouvis? A quem hei eu de recorrer então? Derramastes o Vosso Sangue por ele, assim como por mim; Salvais-me a mim e a ele não? Não me levantarei daqui; salvai-o. Dizei-me que o salvais. Ofereço-me como vítima por todos, mas particularmente por ele. Prometo-Vos que nada Vos hei de recusar. Dai-me? É uma alma. Pensai nisto, JESUS, é uma alma que Vos custou muito. Vira a ser boa e há de corrigir-se”.

Por única resposta o SENHOR continuou a opor a Divina Justiça. E Gema continuou também, animando-se cada vez mais:

“Eu não procuro a Vossa Justiça, mas a Vossa Misericórdia. Por quem Sois, JESUS, ide ter com esse pobre pecador e daí um terno abraço ao seu coração. Vereis que ele se converterá. Experimentai ao menos… Ouvi, JESUS, Vós, como dizeis, tendes multiplicado as ações para o ganhar, mas nunca o chamastes Vosso filho; experimentai. Dizei-lhe que Sois seu Pai e que ele é Vosso filho. Vereis, vereis que, a este doce Nome de Pai, o seu coração endurecido se há de abrandar.”

Nesta ocasião, o SENHOR, para mostrar à Sua serva os motivos desta severidade, descobriu-lhe, uma por uma, com as pequenas circunstâncias de lugar e de tempo, as faltas desse pecador, concluindo por dizer que a medida estava cheia.

A pobre menina que repetiu em alta voz, toda essa confissão, ficou espantada; os braços caíram-lhe, soltou em profundo suspiro; pareceu-lhe ter fugido toda a esperança de vencer.

De repente dissipa-se seu abatimento e ela volta à carga:

“Eu sei, eu sei, JESUS, que ele Vos ofendeu muito, mas não Vos tenho ofendido ainda mais? E não obstante, tendes usado Misericórdia comigo. Eu sei, eu sei, que ele Vos fez chorar, mas neste momento não deveis pensar nos seus pecados, deveis, sim, pensar no Vosso Sangue derramado. Que bondade tendes tido para comigo! Usai para com o meu pecador, eu vo-lo peço, das mesmas delicadezas de amor de que tenho sido objeto. Lembrai-Vos, JESUS, que o quero no Céu! Triunfai, triunfai, eu vo-lo peço, pela Vossa Caridade.”

Entretanto o SENHOR permanecia inflexível, e Gema voltou a cair no mesmo desalento. Está em silencio, parecendo abandonar a luta, quando, de súbito brilha em seu espírito um outro motivo que lhe parecia invencível.

Retoma a coragem e exclama:

“Bem, eu sou uma pecadora, não podereis encontrar pior do que eu, Vós mesmo me dissestes. Não, não mereço, confesso, não mereço que me atendais. Apresento-Vos, porém, outra intercessora:

É Vossa Própria MÃE que Vos pede em seu favor. Ides dizer que não à Vossa MÃE? Certamente a ELA não o podereis fazer. E agora dizei-me, JESUS, que o meu pecador está salvo.”

Desta vez alcançou a vitória. O Misericordioso SENHOR concedeu a Graça e a cena mudou de aspecto. Com um ar de alegria indescritível Gema exclamou:

”Está salvo, está salvo! Vencestes, JESUS, triunfai sempre assim”. E saiu do êxtase.

Este espetáculo, verdadeiramente admirável, tinha durado boa meia hora. Para o descrever, utilizei as próprias palavras de Gema, recolhidas por escrito na ocasião e também cuidadosamente confiadas à minha memória.

Tinha me retirado para o meu quarto, entregue a mil pensamentos, quando ouvi bater à porta. Anunciaram-me que era um indivíduo estranho. Mandei-o entrar. Lançou-se a meus pés, chorando, e pediu-me que o ouvisse em confissão. Meu DEUS, qual não, foi a minha surpresa! Era o pecador de Gema, convertido poucos minutos antes.

Acusou-se de todas as faltas reveladas no êxtase pela serva de DEUS, esquecendo-se somente de uma que lhe pude recordar. Consolei-o, contei-lhe a cena que acabara de presenciar e obtive dele a autorização de publicar estas maravilhas do SENHOR. Depois de nos termos abraçado, partiu. Já fazem alguns anos… Mas parece-me ter ainda diante dos olhos toda esta cena, tão profunda foi a impressão que ela me causou. (do livro: “Santa Gema Galgani,” Pe. Germano de Santo Estanislau, págs. 164 – 167)

2 – São João Maria Vianney traz a paz:

“Entre os peregrinos ajoelhados à passagem do Santo Cura d’Ars, ao sair da Igreja, estava uma senhora de luto pesado, profundamente aflita e acabrunhada pela dor. Seu marido, homem sem religião, se tinha suicidado, atirando-se de uma ponte, e morrera afogado. Tinha-o a pobre mulher por perdido eternamente, e esta era a causa de seu desespero. Ora, antes que ela dirigisse a palavra, ao Santo, esse se inclinou para ela e disse-lhe ao ouvido: “Está salvo! Seu marido está salvo!.”

E como a senhora, sobressaltada, dava mostras de incredulidade, acrescentou logo:

“Digo-lhe que está salvo e está no Purgatório, cumpre rezar por ele. Entre a ponte e a água teve o tempo necessário para um ato de arrependimento. Lembre-se do mês de MARIA, do pequeno Oratório armado no seu quarto. O seu marido, apesar de irreligioso, unia-se às suas orações. E foi o que lhe mereceu a Graça do arrependimento e do perdão supremo.”

A alma piedosa estremeceu de júbilo e comoção. Jamais esquecer-se-á da Rainha da Misericórdia, a Rainha que arranca do inferno milhares de almas. (do livro “Santo Cura d’Ars”, Pe. Trochu)

3 – São João Bosco clama à Medianeira:

“São João Bosco é conhecido como um dos maiores devotos e apóstolos da Santíssima VIRGEM. Conseguia de Nossa SENHORA tudo o que pedia. Observemos um exemplo da poderosa intercessão de nossa MÃE Celeste, que ele mesmo costumava contar a seus alunos.

Entre os muitos meninos e jovens que se confessavam com o santo, havia um menino chamado Carlos. Esse, na ausência de Dom Bosco, caiu gravemente enfermo. Pediu que lhe chamasse Dom Bosco. Não o encontraram. Veio outro sacerdote, com quem se confessou. Viveu ainda dois dias. Mas foram dois dias de ânsias e pavores, suplicando e chorando que lhe trouxessem o seu amigo e confessor, Dom Bosco. Faleceu. Seis horas depois, chega o Santo. A mãe, profundamente abalada, vai ao seu encontro, narrando-lhe como fora terrível e assustadora a agonia do filho. Ao ouvir tudo isto, passa pela mente do Santo um sinistro pensamento.

“E se Carlos, na confissão, tivesse calado um pecado grave, e morrido em tal estado…? “Entra na câmara ardente, ajoelha-se e reza AQUELA que sempre o atendia, à MÃE de DEUS, a Onipotência Suplicante e Medianeira de Todas as Graças. Levanta-se e chama:

- Carlos!

“E o morto abre os olhos e grita:

- “Dom Bosco! Dom Bosco!”

– “Aqui estou, meu filho, aqui estou todo a tua disposição.”

– “Ah! Meu Padre, uma multidão de espíritos maus tentavam arremessar-me numa grande fornalha de fogo, mas uma SENHORA de beleza encantadora os afastou, dizendo: “Ainda não está condenado”, e foi precisamente neste instante que eu ouvi a sua voz chamando-me.”

Dom Bosco ouviu-lhe a confissão, pois calara pecados graves na precedente, e depois perguntou-lhe:

- “E agora que tua alma está pura, queres viver ou ir para o Céu?”

- “Quero ir para o Céu!” Morreu.

4 – A fé de São Bernardo no Poder da VIRGEM:

A consideração das verdades eternas, de um lado, e a meditação das tentações e dos pecados, de outro lado, fazem tremer de pavor as alunas piedosas, e até enchem de medo a grandes e heróicos santos. Sem dúvida, todos conhecem e rezam o “Lembrai-vos” do grande filho de MARIA, São Bernardo.

Numa Igreja, vai o santo pregar diante de uma imensa multidão de pessoas. Sobe ao púlpito, mas não consegue falar, tal é sua emoção, e chora copiosamente, correndo-lhe pela face grossas e abundantes lágrimas. Diante dessa cena o povo se agita, e todos indagam:

– “Bernardo, por que estás chorando?”

– “Choro, responde, entre profundos soluços, choro porque não sei se vou me salvar…” E continuou a derramar lágrimas…

– “E agora, Bernardo, por que continuas a chorar…?”

– “Choro, repete o santo, possuído de grande terror, choro por que não sei se vós que aqui estais, vos haveis de salvar…”

A partir dessa afirmação, São Bernardo e o podo, também tomado de forte emoção, choram juntamente… De repente, parando de chorar e tendo iluminado o semelhante com alegria e júbilo, exclama com entusiasmo: “É impossível, impossível, impossível…”

– “Bernardo, interroga sobressaltada a multidão, o que é impossível”?

E o santo responde com grande confiança e fervor:

“É impossível que um pecador verdadeiramente arrependido, recorra a MARIA Santíssima e seja por ELA abandonado, e se perca eternamente. Isto nunca aconteceu e nunca há de acontecer. Sim, isto é impossível!”.

Talvez poucas vezes, com tão poucas palavras e em tão pouco tempo, tenha São Bernardo conseguido tão grande resultado espiritualidade, como neste brevíssimo sermão.

5 – No desespero, a MÃE é a última esperança:

Em Lourdes, uma jovem, em cujas faces descarnadas e desfiguradas, podia-se ler a terrível palavra “morte”, estava à espera da procissão do Santíssimo Sacramento. Era a última tentativa. Se esta falhasse… ainda algumas horas… ou se muito, alguns dias, e seria um gélido cadáver…

Ao aparecer a procissão, conduzida por um Cardeal trazendo o Augustíssimo Sacramento, passa pelas fileiras dos incuráveis um sopro de nova vida: a esperança de um Milagre!

O Cardeal chega diante da nossa doente. É o momento decisivo. Dá-lhe a Benção com o Santíssimo Sacramento. Seguem-se momentos de angustioso silêncio… e o Cardeal afasta-se… A triste realidade, a jovem, no seu leito de dor, não estava curada… e JESUS já ia se afastando… Quase desesperada, a jovem já sentindo a mão fria da morte… Não, ainda tem uma esperança, e num arroubo de audácia e confiança cega, faz um último e extremo esforço: levanta a voz moribunda, e diz: “JESUS, Filho de MARIA, tu não me curaste, vou dizê-Lo à Tua MÃE!”

Comovido, ao ouvir tais palavras, o Cardeal volta e dá-lhe a segunda Benção Eucarística. No mesmo instante a jovem, repentinamente curada, se levanta emocionada, chorando e gritando: “JESUS, Filho de MARIA, tu me curaste, vou dizê-Lo à Tua MÃE, para que ELA me ajude a agradecer-Te!”

Amados de JESUS e MARIA, terminamos de ler neste texto que não existe caminho mais curto e mais rápido para chegarmos ao Sagrado Coração de JESUS, do que o Imaculado Coração de MARIA!

“DEUS seja Louvado, Bendito e Glorificado!”

Fonte: http://www.derradeirasgracas.com

1 comentário:

  1. Nossa Senhora Medianeira de todas as graças, rogai por nós que recorremos a vós.
    PAZ

    ResponderEliminar