Arquivo do blogue

terça-feira, 24 de maio de 2011

Historia de la devoción a María Auxiliadora en la Iglesia Antigua.


MARÍA AUXILIADORA

 
os cristianos de la Iglesia de la antigüedad en Grecia, Egipto, Antioquía, Efeso, Alejandría y Atenas acostumbraban llamar a la Santísima Virgen con el nombre de Auxiliadora, que en su idioma, el griego, se dice con la palabra "Boetéia", que significa "La que trae auxilios venidos del cielo". Ya San Juan Crisóstomo, arzobispo de Constantinopla nacido en 345, la llama "Auxilio potentísimo" de los seguidores de Cristo. Los dos títulos que más se leen en los antiguos monumentos de Oriente (Grecia, Turquía, Egipto) son: Madre de Dios y Auxiliadora. (Teotocos y Boetéia). En el año 476 el gran orador Proclo decía: "La Madre de Dios es nuestra Auxiliadora porque nos trae auxilios de lo alto". San Sabas de Cesarea en el año 532 llama a la Virgen "Auxiliadora de los que sufren" y narra el hecho de un enfermo gravísimo que llevado junto a una imagen de Nuestra Señora recuperó la salud y que aquella imagen de la "Auxiliadora de los enfermos" se volvió sumamente popular entre la gente de su siglo. El gran poeta griego Romano Melone, año 518, llama a María "Auxiliadora de los que rezan, exterminio de los malos espíritus y ayuda de los que somos débiles" e insiste en que recemos para que Ella sea también "Auxiliadora de los que gobiernan" y así cumplamos lo que dijo Cristo: "Dad al gobernante lo que es del gobernante" y lo que dijo Jeremías: "Orad por la nación donde estáis viviendo, porque su bien será vuestro bien". En las iglesias de las naciones de Asia Menor la fiesta de María Auxiliadora se celebra el 1º de octubre, desde antes del año mil (En Europa y América se celebre el 24 de mayo). San Sofronio, Arzobispo de Jerusalén dijo en el año 560: "María es Auxiliadora de los que están en la tierra y la alegría de los que ya están en el cielo". San Juan Damasceno, famoso predicador, año 749, es el primero en propagar esta jaculatoria: "María Auxiliadora rogad por nosotros". Y repite: "La "Virgen es auxiliadora para conseguir la salvación. Auxiliadora para evitar los peligros, Auxiliadora en la hora de la muerte". San Germán, Arzobispo de Constantinopla, año 733, dijo en un sermón: "Oh María Tú eres Poderosa Auxiliadora de los pobres, valiente Auxiliadora contra los enemigos de la fe. Auxiliadora de los ejércitos para que defiendan la patria. Auxiliadora de los gobernantes para que nos consigan el bienestar, Auxiliadora del pueblo humilde que necesita de tu ayuda".

La batalla de Lepanto.

En el siglo XVI, los mahometanos estaban invadiendo a Europa. En ese tiempo no había la tolerancia de unas religiones para con las otras. Y ellos a donde llegaban imponían a la fuerza su religión y destruían todo lo que fuera cristiano. Cada año invadían nuevos territorios de los católicos, llenando de muerte y de destrucción todo lo que ocupaban y ya estaban amenazando con invadir a la misma Roma. Fue entonces cuando el Sumo Pontífice Pío V, gran devoto de la Virgen María convocó a los Príncipes Católicos para que salieran a defender a sus colegas de religión. Pronto se formó un buen ejército y se fueron en busca del enemigo. El 7 de octubre de 1572, se encontraron los dos ejércitos en un sitio llamado el Golfo de Lepanto. Los mahometanos tenían 282 barcos y 88,000 soldados. Los cristianos eran inferiores en número. Antes de empezar la batalla, los soldados cristianos se confesaron, oyeron la Santa Misa, comulgaron, rezaron el Rosario y entonaron un canto a la Madre de Dios. Terminados estos actos se lanzaron como un huracán en busca del ejército contrario. Al principio la batalla era desfavorable para los cristianos, pues el viento corría en dirección opuesta a la que ellos llevaban, y detenían sus barcos que eran todos barcos de vela o sea movidos por el viento. Pero luego - de manera admirable - el viento cambió de rumbo, batió fuertemente las velas de los barcos del ejército cristiano, y los empujó con fuerza contra las naves enemigas. Entonces nuestros soldados dieron una carga tremenda y en poco rato derrotaron por completo a sus adversarios. Es de notar, que mientras la batalla se llevaba a cabo, el Papa Pío V, con una gran multitud de fieles recorría a cabo, el Papa Pío V, con una gran multitud de fieles recorría las calles de Roma rezando el Santo Rosario. En agradecimiento de tan espléndida victoria San Pío V mandó que en adelante cada año se celebrara el siete de octubre, la fiesta del Santo Rosario, y que en las letanías se rezara siempre esta oración: MARÍA AUXILIO DE LOS CRISTIANOS, RUEGA POR NOSOTROS

El Papa y Napoleón.
El siglo pasado sucedió un hecho bien lastimoso: El emperador Napoleón llevado por la ambición y el orgullo se atrevió a poner prisionero al Sumo Pontífice, el Papa Pío VII. Varios años llevaba en prisión el Vicario de Cristo y no se veían esperanzas de obtener la libertad, pues el emperador era el más poderoso gobernante de ese entonces. Hasta los reyes temblaban en su presencia, y su ejército era siempre el vencedor en las batallas. El Sumo Pontífice hizo entonces una promesa: "Oh Madre de Dios, si me libras de esta indigna prisión, te honraré decretándote una nueva fiesta en la Iglesia Católica". Y muy pronto vino lo inesperado. Napoleón que había dicho: "Las excomuniones del Papa no son capaces de quitar el fusil de la mano de mis soldados", vio con desilusión que, en los friísimos campos de Rusia, a donde había ido a batallar, el frío helaba las manos de sus soldados, y el fusil se les iba cayendo, y él que había ido deslumbrante, con su famoso ejército, volvió humillado con unos pocos y maltrechos hombres. Y al volver se encontró con que sus adversarios le habían preparado un fuerte ejército, el cual lo atacó y le proporcionó total derrota. Fue luego expulsado de su país y el que antes se atrevió a aprisionar al Papa, se vio obligado a pagar en triste prisión el resto de su vida. El Papa pudo entonces volver a su sede pontificia y el 24 de mayo de 1814 regresó triunfante a la ciudad de Roma. En memoria de este noble favor de la Virgen María, Pío VII decretó que en adelante cada 24 de mayo se celebrara en Roma la fiesta de María Auxiliadora en acción de gracias a la madre de Dios.

San Juan Bosco y María Auxiliadora.


E
l 9 de junio de 1868, se consagró en Turín, Italia, la Basílica de María Auxiliadora. La historia de esta Basílica es una cadena de favores de la Madre de Dios. su constructor fue San Juan Bosco, humilde campesino nacido el 16 de agosto de 1815, de padres muy pobres. A los tres años quedó huérfano de padre. Para poder ir al colegio tuvo que andar de casa en casa pidiendo limosna. La Sma. Virgen se le había aparecido en sueños mandándole que adquiriera "ciencia y paciencia", porque Dios lo destinaba para educar a muchos niños pobres. Nuevamente se le apareció la Virgen y le pidió que le construyera un templo y que la invocara con el título de Auxiliadora.

Empezó la obra del templo con tres monedas de veinte centavos. Pero fueron tantos los milagros que María Auxiliadora empezó a hacer en favor de sus devotos, que en sólo cuatro años estuvo terminada la gran Basílica. El santo solía repetir: "Cada ladrillo de este templo corresponde a un milagro de la Santísima Virgen". Desde aquel santuario empezó a extenderse por el mundo la devoción a la Madre de Dios bajo el título de Auxiliadora, y son tantos los favores que Nuestra Señora concede a quienes la invocan con ese título, que ésta devoción ha llegado a ser una de las más populares.


San Juan Bosco decía: "Propagad la devoción a María Auxiliadora y veréis lo que son milagros" y recomendaba repetir muchas veces esta pequeña oración: "María Auxiliadora, rogad por nosotros". El decía que los que dicen muchas veces esta jaculatoria consiguen grandes favores del cielo.
http://cruzamante-santoral.blogspot.com/

domingo, 22 de maio de 2011

El consejo de Sor Lucía

*

Lucia
*

Ofrecemos nuestra traducción de una carta que la Sierva de Dios Sor Lucía de Jesús escribió a un sacerdote preocupado “por la desorientación del tiempo presente”, carta luego aparecida en un libro y recientemente publicada en el blog italiano Cantuale Antonianum.
***
Querido Padre:

¡Pax Christi!

He notado en su carta que está muy preocupado por la desorientación del tiempo presente. Usted está en la verdad cuando lamenta que muchos se dejan dominar por la onda diabólica que esclaviza al mundo y se encuentran tan ciegos que no ven el error.

Pero el principal error es que estos abandonaron la oración, alejándose de Dios, y sin Dios todo falla porque “sin mí nada podéis hacer” (Jn 15, 5).

Ahora, lo que recomiendo especialmente es que se acerque al Tabernáculo y haga oración. Allí encontrará la luz y la fuerza para nutrirse y donarse a los otros. Donarse con suavidad, con humildad y, al mismo tiempo, con firmeza. Porque aquellos que ejercen una responsabilidad tienen el deber de tener la verdad en la debida consideración, con serenidad, con justicia, con caridad. Por esto, tienen necesidad cada día de rezar más, de estar cerca de Dios, de tratar con Dios todos los problemas antes de afrontarlos con las criaturas. Continúe por este camino y verá que cerca del Tabernáculo encontrará más sabiduría, más luz, más fuerza, más gracia y más virtud, que nunca podrá encontrar en los libros, ni en los estudios, ni con ninguna criatura.

Nunca juzgue perdido el tiempo que pasa en la oración y verá cómo Dios le comunicará la luz, la fuerza y la gracia de la que tiene necesidad, y también aquello que Dios le pide.

Esto es lo que importa: hacer la voluntad de Dios, permanecer donde Él nos quiere y hacer lo que Él nos pide. Pero siempre con espíritu de humildad, convencidos de que por nosotros mismos no somos nada y de que debe ser Dios quien trabaje en nosotros y se sirva de nosotros para todo aquello que Él pide.

Por eso, todos tenemos necesidad de intensificar mucho nuestra vida de unión interior con Dios y todo esto se consigue por medio de la oración. Que nos falte el tiempo para todo menos para la oración, ¡y verá cómo en menos tiempo se hará mucho!

Todos nosotros, pero especialmente quien tiene una responsabilidad, sin la oración o sacrificando habitualmente la oración por las cosas materiales, es como una pluma de ave que se usa para batir la clara del huevo, levantando castillos de espuma que, sin azúcar para sostenerlos, luego se disgregan y se deshacen transformándose en agua podrida.

Por eso, Jesucristo dijo: “vosotros sois la sal de la tierra, pero si la sal pierde su sabor, ya no sirve sino para ser tirada”.

Y, dado que esta fuerza sólo podemos recibirla de Dios, tenemos necesidad de acercarnos a Él para que nos la comunique y esta cercanía se realiza sólo por medio de la oración, que es el lugar donde el alma se encuentra directamente con Dios.

Recomiende esto a todos sus hermanos sacerdotes y lo experimentarán. Y luego dígame si estoy equivocada. Estoy muy segura de cuál es el principal mal del mundo actual y la causa del retroceso en las almas consagradas. Nos alejamos de Dios, y sin Dios tropezamos y caemos. El demonio es astuto para saber cuál es el punto débil a través del cual ha de atacarnos. Si no estamos atentos y si no tenemos precaución con la fuerza de Dios, sucumbimos porque los tiempos son muy malos y nosotros somos muy débiles. Sólo la fuerza de Dios nos puede sostener.

Vea si puede llevar adelante todo esto con calma, confiando siempre en Dios. Y Él hará todo aquello que nosotros no podemos hacer y suplirá nuestra insuficiencia.

Sor Lucía

***

sábado, 21 de maio de 2011

LA ÚLTIMA ENTREVISTA PÚBLICA DE SOR LUCÍA Por el Padre Joaquín María Alonso, C. M. F. - Archivero oficial de Fátima.

http://www.novaera-alvorecer.net/irma_lucia.jpg
 
El Padre Augustín Fuentes, sacerdote mejicano nombrado vicepostulador de las causas de beatificación de Francisco y Jacinta, tuvo una conversación con Sor Lucía el día 26 de diciembre de 1957. Vuelto a Méjico, el día 22 de mayo de 1958 dió una conferencia en la Casa Madre de las Misioneras del Sagrado Corazón, y habló de esta entrevista. Poseemos dos textos "auténticos" de esa conferencia, uno en español y otro en inglés, (una traducción abreviada del texto en español), esencialmente idéntica al primero.
Aquí presentamos el texto original, español, de las "Declaraciones de Sor Lucía al Padre Agustín Fuentes". - Imprimatur a este texto del Padre A. Fuentes de S.E.R. Arzobispo Mons. Sánchez de Santa Cruz, Méjico.
(Estas DECLARACIONES al Padre Agustin Fuentes, investigador oficial, postulador, del Vaticano en la causa de beatificación de Francisco y Jacinta, están reconocidas por S. S. Pío XII, y fueron publicadas en su día con licencia eclesiástica (imprimatur), en la revista "Fátima Findlings" -Junio de 1959, y en el "Messaggero dell Cuore di Maria." -Septiembre de 1961, entre muchas otras.)
Se habla en las declaraciones de un mensaje recibido «de los labios mismos» de la vidente de Fátima:
«Quiero contaros la última conversación que tuve con ella, que fué el 26 de diciembre del año pasado: La encontré en su convento muy triste, pálida y demacrada; y me dijo: "Padre, la Santísima Virgen está muy triste, porque nadie hace caso a su Mensaje, ni los buenos ni los malos. Los buenos, porque prosiguen su camino de bondad; pero sin hacer caso a este mensaje.
Los malos, porque no viendo el castigo de Dios, actualmente sobre ellos, a causa de sus pecados, prosiguen también su camino de maldad, sin hacer caso a este Mensaje. Pero, créame Padre, Dios va a castigar al mundo y lo va a castigar de una manera tremenda.
El castigo del cielo es inminente. ¿Qué falta, Padre, para 1960; y qué sucederá entonces? Será una cosa muy triste para todos; y no una cosa alegre si antes el mundo no hace oración y penitencia. No puedo detallar más, ya que es aún secreto que, por voluntad de la Santísima Virgen, solamente pudieran saberlo tanto el Santo Padre como el señor Obispo de Fátima.»
«Ambos no han querido saberlo para no influenciarse. Es la tercera parte del Mensaje de Nuestra Señora, (TERCER SECRETO), que aún permanece secreto hasta esa fecha de 1960. Dígales, Padre, que la Santísima Virgen, repetidas veces, tanto a mis primos Francisco y Jacinta, como a mí, nos dijo, que muchas naciones de la tierra desaparecerán sobre la faz de la misma, que Rusia sería el instrumento del castigo del Cielo para todo el mundo, si antes no alcanzábamos la conversión de esa pobrecita Nación (...).»
Sor Lucía me decía también:
Padre, el demonio está librando una batalla decisiva contra la Virgen; y como sabe qué es lo que más ofende a Dios y lo que, en menos tiempo, le hará ganar mayor número de almas, está tratando de ganar a las almas consagradas a Dios, ya que de esta manera también deja el campo de las almas desamparado, y (el demonio) más fácilmente se apodera de ellas.»
«Dígales también, Padre, que mis primos Francisco y Jacinta se sacrificaron porque vieron siempre a la Santísima Virgen muy triste en todas sus apariciones. Nunca se sonrió con nosotros, y esa tristeza y angustia que notábamos en la Santísima Virgen, a causa de las ofensas a Dios y de los castigos que amenazaban a los pecadores, nos llegaban al alma; y no sabíamos qué idear para encontrar en nuestra imaginación infantil medios para hacer oración y sacrificio (...).
Lo segundo que santificó a los niños fue la visión del infierno (...). Por esto, Padre, no es mi misión indicarle al mundo los castigos materiales que ciertamente vendrán sobre la tierra si el mundo antes no hace oración y penitencia. No. Mi misión es indicarles a todos el inminente peligro en que estamos de perder para siempre nuestra alma si seguimos aferrados al pecado.»
«Padre —me decía Sor Lucía—, no esperemos que venga de Roma una llamada a la penitencia, de parte del Santo Padre, para todo el mundo; ni esperemos tampoco que venga de parte de los señores Obispos cada uno en su diócesis; ni siquiera tampoco de parte de las Congregaciones Religiosas. No; ya Nuestro Señor usó muchas veces estos medios, y el mundo no le ha hecho caso.
Por eso, ahora que cada uno de nosotros comience por sí mismo su reforma espiritual; que tiene que salvar no sólo su alma, sino salvar a todas las almas que Dios ha puesto en su camino... Padre, la Santísima Virgen no me dijo que nos encontramos en los ULTIMOS TIEMPOS del mundo, pero me lo dió a demostrar por tres motivos:
El primero, porque me dijo que el demonio está librando una batalla decisiva con la Virgen y una batalla decisiva, es una batalla final en donde se va a saber de qué partido es la victoria, de qué partido es la derrota. Así que ahora, o somos de Dios, o somos del demonio; no hay término medio.
Lo segundo, porque me dijo, tanto a mis primos como a mí, que dos eran los últimos remedios que Dios daba al mundo; el Santo Rosario y la devoción al Inmaculado Corazón de María. Y, al ser los últimos remedios, quiere decir que son los últimos, que ya no va a haber otros.
Y tercero, porque siempre en los planos de la Divina Providencia, cuando Dios va a castigar al mundo, agota antes todos los demás medios; y cuando ha visto que el mundo no le ha hecho caso a ninguno de ellos, entonces, como si dijéramos a nuestro modo imperfecto de hablar, nos presenta con cierto temor el último medio de salvación, su Santísima Madre.
Si despreciamos y rechazamos este último medio, ya no tendremos perdón del cielo; porque hemos cometido un pecado, que en el Evangelio suele llamarse pecado contra el Espíritu Santo; que consiste en rechazar abiertamente, con todo conocimiento y voluntad, la salvación que se presenta en las manos.
Y también porque Nuestro Señor es muy buen hijo... y no permite que ofendamos y despreciemos a su Santísima Madre, teniendo como testimonio patente la historia de varios siglos de la Iglesia que, con ejemplos terribles, nos indica cómo Nuestro Señor siempre ha salido en defensa del honor de su Santísima Madre.»
«Dos son los medios para salvar al mundo, me decía Sor Lucía de Jesús: la oración y el sacrificio (...) Y luego, el Santo Rosario. Mire Padre, la Santísima Virgen, en estos ULTIMOS TIEMPOS en que estamos viviendo, ha dado una nueva eficacia al rezo del Santo Rosario. De tal manera que ahora no hay problema, por más difícil que sea, sea temporal o sobre todo espiritual, que se refiera a la vida personal de cada uno de nosotros; o a la vida de nuestras familias, sean familias del mundo o Comunidades Religiosas; o la vida de los pueblos y naciones.
No hay problema, repito, por más difícil que sea, que no podamos resolver ahora con el rezo del Santo Rosario.
Con el Santo Rosario nos salvaremos, nos santificaremos, consolaremos a Nuestro Señor y obtendremos la salvación de muchas almas. Y luego, la devoción al Corazón Inmaculado de María, Santísima Madre, poniéndonosla como sede de la clemencia, de la bondad y el perdón; y como puerta segura para entrar al cielo. Esta es la primera parte del Mensaje referente a Nuestra Señora de Fátima; y la segunda parte, que, aunque es más breve, no es menos importante, se refiere al Santo Padre.»

Texto extraído de "La verdad sobre el Secreto de Fátima, Fátima sin mitos", libro del Padre Joaquín Alonso, sacerdote Claretiano muy erudito, nombrado archivero oficial de Fátima e investigador de los hechos. Monseñor João Venancio, obispo de Fátima, le encargó en 1966 relatar una historia crítica y completa de las REVELACIONES, para defenderlas de los ataques y escepticismos modernistas.
El Padre Alonso, estudió los archivos, habló con Sor Lucia, y testificó públicamente que las "Declaraciones de Sor Lucia al P. Agustín Fuentes", en 1957, eran auténticas y verídicas. En 1975, terminado su estudio sobre las REVELACIONES, "Textos y estudios críticos de Fátima", con 5.396 documentos, listo ya para la impresión, el nuevo obispo de Fátima, Msr. do Amaral, lo archivó.
Antes de su fallecimiento el 12.12.1981, el Padre Alonso publicó algunos folletos sobre el mensaje de Fátima, y el libro.

quinta-feira, 19 de maio de 2011

A atualidade e as aparições de Fátima




No ano de 1917 um milagre público sem precedentes foi testemunhado por 70.000 pessoas! Nossa Senhora desceu do Céu até à pequena aldeia de Fátima para confiar a três pastorinhos uma mensagem com um segredo que devia ser cuidadosamente guardado por muitos anos, até quela própria, a Santíssima Virgem, indicasse que era chegado o momento de se revelar a todo o mundo. Tal segredo deveria ser revelado ao seu tempo mediante a realização de um pedido:

O pedido era o de que a Rússia fosse consagrada, pelo Papa em conjunto com todos os Bispos, ao Imaculado Coração de Maria.

“Virei pedir a Consagração da Rússia ao Meu Imaculado Coração e a Comunhão reparadora nos Primeiros Sábados”


Ocorre que o pedido de Nossa Senhora não foi satisfeito ao longo de, pelo menos, seis décadas!

Mas por que tal pedido tão simples ainda não foi realizado até os dias de hoje? Indícios dos motivos podem estar localizados no tempo. Por alguma razão prática Nossa Senhora havia dito que a consagração e o segredo deveriam ser revelados no ano de 1960.

Tal fato não passou em branco. O Cardeal Ottaviani, no ano de 1955, lhe perguntou por que 1960? Respondeu-lhe ela: «porque então parecerá mais claro».

Todavia, o Vaticano disse que não publicaria em 1960, mas não apenas: foi publicado pelo Vaticano na United Press International noticia informando que a carta jamais seria aberta!

Obviamente, uma vez que não foi publicado o segredo permanece, mas há indícios sobre o que nele pode estar contido em função exatamente da data em que deveria ter sido publicado, bem como pelas declarações da irmã Lúcia e de testemunhas do segredo.

Irmã Lúcia em sua 4ª. Memória disse que Nossa Senhora menciona que “em Portugal o dogma da fé sempre será preservado e etc…” . Especialistas costumam dizer que esse “etc” seria o segredo propriamente dito.

Vejamos o que as testemunhas dizem sobre ele:

Irmã Lúcia disse:

“Está nos evangelhos está no apocalípse”.

O Pe. Joseph Schweilg, que entrevistou irmã Lúcia a mando do Papa Pio XII no ano de 1952 disse:

“Não posso revelar nada do que ouvi sobre Fátima no que respeita ao Terceiro Segredo, mas posso dizer que tem duas partes: uma fala do Papa. A outra, logicamente (embora eu não deva dizer nada) teria de ser a continuação das palavras: ‘Em Portugal se conservará sempre o dogma da Fé”

O então Cardeal Ratzinger, atual Papa Bento XVI, em 1984 disse:

“O terceiro segredo é uma profecia religiosa.”

Neste sentido, vejamos alguns fatos interessantes ocorridos nas proximidades da década de 60 em uma conexão com à contemporaneidade e vamos certamente tatear algo do segredo!

Em ordem cronológica de acontecimentos em diversas competências:

Igreja: Em 1958 morre misteriosamente o Papa Pio XII – um ano após a chegada do segredo ao Vaticano; Em 1960 é Publicado na United Press International notícia segundo a qual a carta da irmã Lúcia jamais será aberta; Em 1962, em Metz, França, o Cardeal Eugène Tisserant encontra-se com o Metropolita Nikodim, da Igreja Ortodoxa Russa – com efeito um agente da KGB. Nesse encontro, Tisserant e Nikodim negociaram o que viria a ser conhecido como o Pacto de Metz, ou, mais popularmente, o Acordo Vaticano-Moscovo; Em 1965 os documentos do arquivo oficial de Fátima (mais de 5.000 documentos, em 24 volumes) serão impedidos de ser publicados – embora tais documentos confirmem que as profecias de Fátima, nas duas primeiras partes do Segredo (a eleição do Papa Pio XI, o desencadear da II Guerra Mundial, a expansão do Comunismo pelo mundo, etc.), tinham sido reveladas em privado pela Irmã Lúcia muito antes de se terem cumprido desde 1917!

Política: Em 1917 (mesmo ano das aparições em Portugal) a revolução russa havia se iniciado! A ONU já estava funcionando desde 1945; Os EUA ingressam na guerra do Vietnam em 1960; Nikita Khrushchev – presidente russo – se encontra com Charles De Gaulle em Paris; Inicia-se no mesmo ano uma verdadeira “queima de arquivo” dos comandantes do regime nazista; Incidentes de espionagem entre EUA e URSS são cada vez mais frequentes e a guerra fria está no seu auge; tem início a revolução cubana; Yuri Gagarin é o primeiro homem a chegar ao espaço e faz a volta completa na órbita da Terra em 12 de Abril; Brasília é inaugurada (oficiosamente é considerada uma capital esotérica e ecuménica) – o planalto central é vilipendiado de misticísmo; Guerras e nacionalismos africanos acontecem por todo aquele continente.

Arte: surge o movimento hippie e o psicodelísmo. O uso indiscriminado de drogas entorpecentes cresce como nunca! Surge uma arte rebelde e notadamente antireligiosa; os Beatles marcam presença e o bordão pacifista (a paz custe o que custar – give peace a chance, etc…) ingressa definitivamente na cultura pop. Acontece o festival profano deWoodstock.

Costumes: o feminismo atinge o seu auge e surge a revolução sexual. A moda muda radicalmente invocando sempre cada vez mais uma crescente rebeldia contra tudo e contra todos.

Enfim, os “loucos anos 60” marcam o início de um mundo revolucionário por excelência.


E as mensagens da Virgem Santíssima? Foram desprezadas...??!!



Fonte: Do blog A Hora de Maria.

terça-feira, 17 de maio de 2011

El tercer secreto de Fátima: las sospechas


Siete años después del Documento oficial de la Santa Sede sobre el tercer secreto de Fátima el mismo Cardenal Bertone reconocería que a la muerte de sor Lucia habían sido desveladas nueva revelaciones del tercer secreto. Y esto lo afirmaba quien había reiterado por activa y por pasiva que todo había sido dicho ya. Entonces, ¿cómo no iban a surgir voces discrepantes por parte de cuantos habían acudido a las fuentes más solventes sobre Fátima o a las mismas hemerotecas? La crítica más grave al documento vaticano, y casi unánime entre los fatimistas, era que éste silenciaba parte del tercer secreto.El Vaticano, decían, no se atreve a revelar la parte más explosiva del tercer secreto. El escándalo del tercer secreto “burlado” por el Vaticano seguía siendo el caballo de batalla de los fatimistas desde aquel 26 de junio del año 2000. Pero lo curioso es que de año en año las voces críticas iban en aumento y no siempre desde los sectores más radicalizados. Empezaba a extenderse la evidencia de que el texto secreto custodiado por la Santa Sede tenía algo más y de más grave contenido.
¿Puede ser esto cierto? ¿Es creíble que aún haya algo silenciado, de gravísimo contenido, del que no se quiere ni tan siquiera mentar su existencia, pero cuyas huellas históricas y documentales casi se pueden rastrear con milimétrica exactitud, hasta el punto de hacer tambalear lo publicado en el año 2000 por la misma Santa Sede? Esta es la posición mayoritaria de los escépticos con la interpretación “oficial” del tercer secreto, entre los que se incluyen, cómo no, los fatimistas Grunner y Kramer, pero no sólo.
Porque ocurrió lo temido. Las filas de los escépticos vieron como se incorporaban a sus tesis destacadas figuras del panorama católico “conservador” cuyo prestigio y renombrada fidelidad a la causa católica estában mas que fuera de toda duda. En primer lugar Vittorio Messori, al que toca el honor de ser el primer prohombre de la ortodoxia católica que mostró su escepticismo respecto al tercer secreto y su interpretación. De hecho su primer desencuentro público con el tema de Fátima ve la luz en las páginas del periódico italiano Corriere della Sera, días después de la muerte de la última vidente de Fátima -sor Lucia- ocurrida el año 2005: “Cuando sor Lucia, la vidente de Fátima, muere en el monasterio de Coimbra, el 13 de febrero de 2005, su celda es rápidamente sellada. La religiosa había escrito mucho, y se sabía que tenía un diario que le había mostrado a su confesor. Mejor, por tanto, cerrar aquella puerta y evitar la dispersión de documentos antes de que fueran reclamados por las autoridades eclesiásticas”.

Y junto a Messori se alineó en posición de batalla contra la validez de la interpretaciónoficial otro periodista italiano, también fiel a Roma: Antonio Socci. Socci se hizo muy popular en Italia como director de un programa televisivo de la RAI –Excalibur- de contenido religioso en un moderno formato de debate, información, rigor, documentos audiovisuales e investigación que fue muy seguido y reconocido por los italianos y su Iglesia. Pero Socci demostró ser profundamente combativo y más directo que Messori, lo que le empezó a granjear no pocas enemistades en la Curia vaticana. A él se le debe uno de los mayores tsunamis que ha anegado la opinión pública en Italia y que de nuevo ha puesto en entredicho la validez de la interpretación vaticana, y no por los radicales y críticos, sino por gente que la Iglesia ha considerado siempre “de los suyos”. La culpa de este zarpazo a la calma vaticana fue una investigación teológico-periodística que Socci publicó en noviembre del año 2006 y cuyo título era más que elocuente: El cuarto secreto de Fátima. La génesis de este libro tan directamente opuesto a la interpretación “oficial” tuvo su origen en el desconcierto que le produjo a Socci la actitud de Messori, antes mencionada, en la que cuestionaba un cierto juego de silenciamiento en torno a Fátima. ¿Cómo era posible, se preguntó Socci, que tan fiel católico, renombrado y querido por Juan Pablo II, pusiera en duda la actuación de la Iglesia respecto a Fátima? Y tras un primer asombro, Socci decide bajar a la arena de la polémica, estudiando la argumentación primero de Solideo Paolini y posteriormente tanto la de los fatimistas críticos (Grunner, Kramer) como la de los expertos en Fátima más “ortodoxos” (como frère Michele de la Sainte Trinitè y el padre Joaquín Alonso). El resultado de su investigación y de sus fuentes (en la que destaca el que fue secretario del papa Juan XXIII, Monseñor Loris Capovilla, a través de sus conversaciones con Solideo Paolini) es sorprendente: según Socci hay dos textos manuscritos de sor Lucia relativos al tercer secreto, en uno se refiere la visión publicada por la Santa Sede, en otro las palabras de la Virgen explicando la visión y que darían continuidad a la misteriosa frase “En Portugal se conservará siempre el misterio de la fe, etc.”.
El shock que este libro produjo en Italia fue extraordinario. Desconcertada la curia vaticana por el ataque de uno de los periodistas “fieles a la causa” las reacciones no se hicieron esperar. El mismo Messori salió al paso con otro artículo en Corriere della Sera digno de un equilibrista, donde ni afirmaba ni desmentía. Pero la reacción más inesperada fue la de quien había sido objeto de las críticas más despiadadas del libro de Socci: el Cardenal Bertone. El Secretario de Estado Vaticano, o lo que es igual, el segundo hombre más poderoso de la Iglesia Católica, se vio obligado a presentar con urgencia otro libro en el que narra sus entrevistas con la que fue la última vidente de Fátima entre otras cosas (que duda cabe) para desmentir las tesis de Socci. Y es que Socci acusó a Bertone de ser el artífice de la mayor estafa a los católicos: el silenciamiento y encubrimiento de una parte del secreto. Pero Bertone no se quedó corto en los calificativos, y le tachó de mentiroso y de hacer el juego a los enemigos de la Iglesia: la masonería. El río sonaba demasiado como para no alimentar las dudas de que algo bajaba sobre las aguas revueltas de Fátima.
Siguiendo la línea “oficial” vaticana se debería decir que todo lo concerniente al tercer secreto pertenece al pasado, por lo que del contenido de Fátima sólo quedaría por cumplirse la promesa del triunfo de María. Cuando se hace público en el año 2000 este secreto, no cabe duda de que el panorama internacional aún cuando no pacífico, tenía tintes más esperanzadores de los que tiene en la actualidad. Difícilmente era imaginable el sombrío panorama que se avecinarían los años siguientes. El mismo Cardenal Ratzinger se hace portavoz de una Iglesia que reclama al Cielo su ayuda en esta época de oscuridad. De entre otros muchos destacan los textos y meditaciones que escribió para el Vía Crucis del año 2005, tradicional acto dirigido por el Papa en las calles de Roma la tarde del Viernes Santo, que por su solemnidad y por la circunstancia sorprendente de que se trató del último Vía Crucis de Juan Pablo II, que además sería escrito por el que será su sucesor, merece ser destacado sobremanera. Así dirá el Cardenal Ratzinger:
“Precisamente en esta hora de la historia vivimos en la oscuridad de Dios... Ayúdanos a creer en Ti y a seguirte en esta hora de oscuridad y de necesidad. En esta hora muéstrate de nuevo al mundo y haz que tu salvación se manifieste”.
En el 2005 la promesa del triunfo de María todavía no se había cumplido, y la sensación de estar inmersos de lleno en una época oscura se hacía patente. Por lo que algo no cuadraba con la explicación vaticana. Si el tercer secreto se refería a hechos del pasado había un abismo que era imposible transitar: ¿cuándo se verificará el triunfo de María?
Se hacía difícil creer que el atentado a Juan Pablo II aquel 13 de mayo de 1981 era el secreto tan celosamente guardado y que ahora, de Fátima, sólo faltaba esperar el triunfo de María. Especialmente porque los sucesos tan graves que se vinieron sucediendo desde aquel 1981 no tuvieron su colofón final con la caída del muro de Berlín ni con el derrumbe soviético. Y esto se reconocía, curiosa y paradójicamente, en el mismo Documento oficial sobre el tercer secreto. De hecho la Congregación para la Doctrina de la Fe no tendrá pudor en volver a recoger las palabras que el Cardenal Sodano dirigió a los fieles presentes en la explanada de Fátima al anticipar el contenido del tercer secreto. En ellas Sodano, parafraseando al mismo Papa que directamente le escuchaba, reconoce que la cruz de la Iglesia no ha terminado su escalada hacia el Gólgota, y que el mismo mensaje de Fátima que leía los signos de los tiempos, lee también los de nuestro tiempo actual, de nuestro presente, con una especial perspicacia:
"Los sucesivos acontecimiento del año 1989 han llevado, tanto en la Unión Soviética como en numerosos Países del Este, a la caída del régimen comunista que propugnaba el ateísmo. También por esto el Sumo Pontífice le está agradecido a la Virgen desde lo profundo del corazón. Sin embargo, en otras partes del mundo los ataques contra la Iglesia y los cristianos, con la carga de sufrimiento que conllevan, desgraciadamente no han cesado. Aunque las vicisitudes a las que se refiere la tercera parte del secreto de Fátima parecen ya pertenecer al pasado, la llamada de la Virgen a la conversión y a la penitencia, pronunciada al inicio del siglo XX, conserva todavía hoy una estimulante actualidad"
Sinceramente este fragmento “la Señora del mensaje parecía leer con una perspicacia especial los signos de los tiempos, los signos de nuestro tiempo” es un ejemplo paradigmático en el arte de la negación del principio de contradicción (una cosa no puede ser y no ser al mismo tiempo). Señalando a vuelapluma esas “contradicciones”, asombra leer en tan pocas líneas ideas tan opuestas, pues si “oficialmente” parece reconocerse que el contenido del tercer secreto pertenece al pasado (“las vicisitudes a las que se refiere la tercera parte del secreto de Fátima parecen ya pertenecer al pasado”) al mismo tiempo se matiza ese alcance interpretativo al reconocer que esto es sólo una opinión (las vicisitudes a las que se refiere la tercera parte del secreto de Fátima parecen ya pertenecer al pasado). Y eso sin olvidar la reiteración que en dos ocasiones se hace respecto de que el contenido del mensaje sigue siendo actual y que hace referencia a nuestra época presente, es decir, que no pertenece al pasado (Sin embargo, en otras partes del mundolos ataques contra la Iglesia y los cristianos, con la carga de sufrimiento que conllevan,desgraciadamente no han cesado. (...)la llamada de la Virgen a la conversión y a la penitencia, pronunciada al inicio del siglo XX, conserva todavía hoy una estimulante actualidad. «La Señora el mensaje parecía leer con una perspicacia especial los signos de los tiempos, los signos de nuestro tiempo ...”).

No sólo el mismo día que se da a conocer el texto del tercer secreto se recogen las palabras del Cardenal Sodano en las que, subrepticiamente, se reconoce que no está todo cumplido, sino que el entonces secretario del ex Santo Oficio, Monseñor Bertone, sorprendentemente reconoce algo más. En este caso de un modo más sibilino pero más explosivo, pues lo dice a través de la cita de una carta que sor Lucia dirigió al santo Padre Juan Pablo II, en el año 1982 (por tanto después del atentado): “Desde el momento en que no hemos tenido en cuenta este llamamiento del Mensaje, constatamos que se ha cumplido, Rusia ha invadido el mundo con sus errores. Y, aunque no constatamos aún la consumación completa del final de esta profecía, vemos que nos encaminamos poco a poco hacia ella a grandes pasos. Si no renunciamos al camino del pecado, del odio, de la venganza, de la injusticia violando los derechos de la persona humana, de inmoralidad y de violencia, etc. Y no digamos que de este modo es Dios que nos castiga; al contrario, son los hombres que por sí mismos se preparan el castigo. Dios nos advierte con premura y nos llama al buen camino, respetando la libertad que nos ha dado; por eso los hombres son responsables...”

Reiteremos que ese fragmento de una carta de sor Lucia al beato Juan Pablo II no sólo es posterior al atentado en la plaza de san Pedro, sino que el mismo monseñor Bertone señala en su comentario “oficial” que esta carta insinúa la correcta interpretación del tercer secreto. Pero ¿no se había reiterado que el tercer secreto tenía su culminación en el atentado del 13 de mayo de 1981? ¿Porqué dice entonces sor Lucia al mismo Juan Pablo II, un año después del atentando, que aún no se constata el cumplimiento final de la profecía? ¿No dice claramente en esta carta que la constatación final será un Castigo del que el buen Dios nos advierte, y cuya autoría no es divina sino humana? ¿A qué Castigo se puede referir? ¿No se había reiterado que esta profecía hacía referencia a los totalitarismos del siglo XX y en particular al atentado contra la vida de Juan Pablo II obra del turco Ali Agca? ¿De qué Castigo habla sor Lucia que aún está por realizarse y que no ha culminado en aquel fatídico atentado? ¿Qué Castigo o catástrofe es de la que sor Lucia nos advierte en su interpretación del tercer secreto si, tras el atentado contra el Papa, todo se ha de referir a hechos del pasado? ¿Qué castigo ha sido profetizado y que a Monseñor Bertone le parece como en línea con una correcta interpretación del secreto de Fátima? Algo no es coherente, y de hecho el mismo Cardenal Ratzinger así lo reconocerá el año 2003, en una entrevista al canal de televisión católico de la Madre Angélica, EWTN: “No es descartable la posibilidad de que la visión se refiriera a un hecho del futuro”.
Seguiremos.
Adaptación para el blog del tercer capítulo de mi obra “Fátima, verdad oculta”
x cesaruribarri@gmail.com

http://cruxetgladius.blogspot.com/

sexta-feira, 13 de maio de 2011

ESPANTOSO CIRCULO DE ARCO-ÍRIS EM VOLTA DO SOL HOJE EM FÁTIMA QUE SE CONSERVOU POR MAIS DE UMA HORA

 






Não dá para descrever a grande emoção espiritual que todos sentimos hoje em Fátima no final da Santa Missa em Honra da Festa do Aniversário da Aparição de Nossa Senhora: fez-se  depois da Missa através de 2 écrans gigantes uma celebração alusiva à Beatificação do Papa João Paulo II onde se viram as imagens das 3 visitas que o Beato João Paulo II fez ao Santuário de Fátima. Foi ao começar a projeção que se deu este fenómeno estraordinário, o sol que entao estava a pique sobre a Basílica de Fátima foi rodeado de um Arco Íris em forma de circulo , tal fenómeno foi observado pelos mais de 300 000 peregrinos presentes e durou mais de uma hora, dado que após esta projeção sobre as Visitas do Beato Joao Paulo II a Fátima, iniciou-se a Procissão do Adeus que reconduziu a Imagem de Nossa Senhora de Fátima à Capelinha . Nesse momento o sol se encontrava sobre a Capelinha das Aparições bem brilhante e sempre com esse grande circulo de luz à sua volta. Todos sentimos que era um sinal do Céu, um sinal da presença espiritual do Beato João Paulo II no Santuário de Fátima que ele tanto amou. Em 25 anos que participo nas Celebrações do 13 de Maio em Fátima foi a primeira vez que vi tão extraordinário fenómeno  que Nossa Senhora de Fátima hoje nos brindou

terça-feira, 10 de maio de 2011

Fatos históricos que comprovam a intervenção de Nossa Senhora em favor da Igreja, quando invocada através do Santo Rosário durante época de grande tribulação


Intervenções de Maria na história da Igreja

Trecho da encíclica Supremi Apostolatus Officio, de Leão XIII

“Mas esta ardente e confiante piedade para com a augusta Rainha do Céu foi posta em mais clara luz quando a violência dos erros largamente difundidos, ou a transbordante corrupção dos costumes, ou o assalto de inimigos poderosos, pareceram pôr em perigo a Igreja militante de Deus.


As memórias antigas e modernas e os sagrados fastos da Igreja relembram, de uma parte, as súplicas públicas e particulares e os votos elevados à divina Mãe, e, de outra parte, os auxílios por meio dela obtidos, e a tranquilidade e a paz pelo Céu concedidas. Daí tiveram origem esses títulos insignes com que os povos católicos a saudaram: Auxiliadora dos cristãos, Socorredora e Consoladora, Dominadora das guerras, Senhora das vitórias, Pacificadora. Entre os quais é principalmente digno de menção o titulo, tão solene, do Rosário, que consagra à imortalidade os seus assinalados benefícios em favor da inteira Família cristã.


Nenhum de vós, ó Veneráveis Irmãos, ignora quantas dores e quantas lágrimas, no fim do século XII, proporcionaram à santa Igreja de Deus os hereges Albigenses, que, nascidos da seita dos últimos Maniqueus, haviam infectado de perniciosos erros a França meridional e outras regiões do mundo latino. Espalhando em torno de si o terror das armas, eles tramavam estender o seu domínio pelos morticínios e pelas ruínas. Contra esses péssimos inimigos Deus misericordioso suscitou, como vos é bem conhecido, um homem virtuosíssimo: o ínclito padre fundador da Ordem dominicana. Insigne pela integridade da doutrina, por exemplos de virtude e pelos seus labores apostólicos, ele se preparou com intrépida coragem para travar as batalhas da Igreja Católica, confiando não na força das armas, mas sobretudo na daquela oração que ele, por primeiro, introduziu sob o nome do santo Rosário, e que, ou diretamente ou por meio dos seus discípulos, depois divulgou por toda parte.


Visto como, por inspiração ou por impulso divino, ele bem sabia que, com o auxílio desta oração, poderoso instrumento de guerra, os fiéis poderiam vencer e desbaratar os inimigos, e forçá-los a cessar a sua ímpia e estulta audácia. E é sabido que os acontecimentos deram razão à previsão. De feito, desde quando tal forma de oração ensinada por S. Domingos, foi abraçada e devidamente praticada pelo povo cristão, de um lado começaram a revigorar-se a piedade, a fé e a concórdia, e, de outro, foram por toda parte quebradas as manobras e as insídias dos hereges. Além disto, muitíssimos errantes foram reconduzidos à trilha da salvação, e a loucura dos ímpios foi esmagada por aquelas armas que os católicos haviam empunhado para reprimir a violência.


A eficácia e o poder da mesma oração foi, depois experimentada também no século XVI, quando as imponentes forças dos Turcos ameaçavam impor a quase toda a Europa o jugo da superstição da barbárie. Nessa circunstância, o Pontífice S. Pio V, depois de estimular os soberanos cristãos à defesa de uma causa que era a causa de todos, dirigiu todo o seu zelo a obter que a poderosíssima Mãe de Deus, invocada por meio do santo Rosário, viesse em auxílio do povo cristão. E a resposta foi o maravilhoso espetáculo então oferecido ao Céu e à terra; espetáculo que empolgou as mentes e os corações de todos!


Com efeito, de um lado os fiéis, prontos a dar a vida e a derramar o sangue pela incolumidade da religião e da pátria, junto ao golfo de Corinto esperavam impávidos o inimigo; de outro lado, homens inermes, com piedosa e suplicante falange, invocavam Maria, e com a fórmula do santo Rosário repetidamente a saudavam, a fim de que assistisse os combatentes até à vitória. E Nossa Senhora, movida por aquelas preces, os assistiu: porquanto, havendo a frota dos cristãos travado batalha perto de Lepanto, sem graves perdas dos seus desbaratou e matou os inimigos, e alcançou uma esplêndida vitória. Por este motivo o santo Pontífice, para perpetuar a lembrança da graça obtida, decretou que o dia aniversário daquela grande batalha fosse considerado festivo com honra da Virgem das Vitórias; festa que depois Gregório XIII consagrou sob o título do Rosário.

 
Igualmente são conhecidas as vitórias alcançadas sobre as forças dos Turcos, durante o século passado, primeiramente perto de Timisoara, na Rumania, depois perto da ilha de Corfu: com dois dias dedicados à grande Virgem, e após muitas preces a ela elevadas sob a forma do Rosário. Esta foi a razão que levou o Nosso Predecessor Clemente XI a estabelecer que, com prova de gratidão, a Igreja toda celebrasse cada ano a solenidade do santo Rosário.”


Leão XIII
 
http://arenadateologia.blogspot.com/

sexta-feira, 6 de maio de 2011

Rosário: recomendações da Ir. Lúcia em suas cartas. Pequeno tratado da Irmã Lúcia, sobre a natureza e recitação do Terço

Rosário: recomendações da Ir. Lúcia em suas cartas. Pequeno tratado da Irmã Lúcia, sobre a natureza e recitação do Terço


http://portalcot.com/br/noticias/wp-content/uploads/2011/02/Irma_Lucia.jpg
J.M.
Coimbra, Dec. 4, 1970
Dear Maria Teresa,
Pax Christi,
A nossa Madre recebeu a sua carta, e pede desculpa de não responder pessoalmente; mas não lhe é possível neste momento, em que está com tanto que fazer, por causa da próxima fundação do novo Carmelo de Braga. Por este motivo, entregou-me a carta, para que responda eu. É o que venho fazer.
A nossa Madre não pode dar a licença que a Maria Teresa deseja. Mas também não é necessária. Eu não devo nem posso pôr-me em evidência. Devo permanecer em silêncio, na oração e na penitência. É a maneira como melhor posso e devo auxiliar. É preciso que todo o apostolado tenha, como base, este fundamento; e esta é a parte que o Senhor escolheu para mim; orar e sacrificar-me pelos que lutam e trabalham na vinha do Senhor, e pela extensão do seu Reino.
É por este motivo que o meu nome não deve aparecer. Em vez dele, é muito mais eficaz que se sirva do Nome de Nossa Senhora, sugerindo o movimento como "Cumprimento» da Mensagem, apresentando como argumento a insistência com que
Nossa Senhora pediu e recomendou que se reze o Terço todos os dias, repetindo o mesmo em todas as Aparições, como que prevenindo-nos para que, em estes tempos de desorientação diabólica, nos não deixemos enganar por falsas doutrinas, diminuindo na elevação da nossa alma para Deus, por meio da oração.
Por certo que não é preciso que durante a celebração do Santo Sacrifício da Missa, aquele em que se deva rezar o Terço: Tempo deve haver para a Santa Missa, e tempo para rezar o Terço: Podemos e devemos tomar parte numa coisa, sem deixar a outra. O Terço é, para a maioria das almas que vivem no mundo, como que o pão espiritual de cada dia; e privá-las ou tirar-lhes esta oração, isto é, diminuir nos espíritos o apreço e a boa fé com que a rezavam, é, na parte espiritual, o mesmo ou mais ainda; tanto mais quanto a parte espiritual é superior à material. Digo: É como se na parte material privassem as pessoas do pão necessário à vida física.
Infelizmente, o povo, na sua maioria, em matéria religiosa, é ignorante e deixa-se arrastar por onde o levam. Daí, a grande responsabilidade de quem tem a seu cargo conduzi-lo; e todos nós somos condutores uns dos outros, porque todos temos o dever de ajudar-nos mutuamente, e andar pelo bom caminho.
Além do que tenho dito, será bom que à oração do Terço se dê um sentido mais real que aquele que se lhe tem dado, até aqui, de simples oração "mariana». Todas as orações que rezamos no Terço são orações que fazem parte da Sagrada Liturgia; e, mais que uma oração dirigida a Maria, é dirigida a Deus: — O Pai-Nosso foi-nos ensinado por Jesus Cristo, dizendo: "Rezai, pois, assim: Pai Nosso, que estais nos Céus...» — "Glória ao Pai, ao Filho, ao Espírito Santo ...» é o hino que cantaram os Anjos enviados por Deus para anunciar o nascimento do Seu Verbo, Deus feito homem. — A Ave-Maria, bem compreendida, não é menos uma oração dirigida a Deus: "Ave, Maria, gratia plena, Dominus tecum»: Eu Te saúdo, Maria, porque Contigo está o Senhor! Estas palavras são, com certeza, ditadas pelo Pai ao Anjo, quando O enviou à terra, para que com elas saudasse a Maria.
Sim! O Anjo veio dizer, a Maria, que Ela era cheia de Graça, não por Ela mas porque com Ela estava o Senhor! — "E Bendita sois Vós entre as mulheres, e Bendito é o fruto do Vosso ventre, Jesus»: Estas palavras, com que Isabel saudou a Maria, foram-Lhe ditadas pelo Espírito Santo, diz-nos o Evangelista: "Ao ouvir Isabel a saudação de Maria, ... ficou cheia do Espírito Santo. Erguendo a voz, exclamou: Bendita és Tu entre as mulheres, e Bendito é o fruto de Teu ventre». Sim! Porque esse fruto é Jesus, verdadeiro Deus e verdadeiro Homem!
Assim, esta saudação é um louvor a Deus: És Bendita entre as mulheres, porque é Bendito o fruto do Teu ventre; e porque Tu és a Mãe de Deus feito Homem, — em Ti adoramos a Deus como em primeiro Sacrário, no qual o Pai encerrou o Seu Verbo; como primeiro Altar, o Teu Regaço; primeira Custódia, os Teus braços, diante dos quais se ajoelharam os Anjos, os pastores e os reis, para adorar o Filho de Deus, feito Homem! E porque Tu, ó Maria, és o primeiro Templo vivo da Santíssima Trindade, onde mora o Pai, o Filho e o Espírito Santo, "o Espírito virá sobre Ti e a força do Altíssimo estenderá sobre Ti a Sua sombra. Por isso mesmo é que o Santo, que vai nascer, há-de chamar-se Filho de Deus» (Lc. 1, 35). E já que és um Sacrário, uma Custódia, um Templo vivo, morada permanente da Santíssima Trindade, Mãe de Deus e Mãe nossa, —"roga por nós, pobres pecadores, agora e na hora da nossa morte».
Quem poderá negar que isto é uma oração e um louvor dirigido a Deus?! Será mais que para dirigir a Deus os nossos louvores, as nossas adorações, as súplicas, nos ajoelhemos diante de altares de madeira, pedra ou metal, ou de custódias douradas, insensíveis, incapazes de rogar por nós?!
Certo é que São Paulo diz que há um só Medianeiro junto do Pai. Sim! Como Deus, há um só, que é Jesus Cristo. Mas o mesmo Apóstolo pede que roguem por ele e recomenda que roguemos uns pelos outros: Poderia, então, o Apóstolo não crer que a oração de Maria não fosse tão agradável a Deus, como a nossa?! É a desorientação diabólica que invade o mundo e engana as almas! É preciso fazer-lhe frente; e para isso pode servir-se do que aqui lhe digo. Mas como coisa sua, sem dizer o meu nome; como coisa que lhe sai ao correr da pena. E, na verdade, sua é, porque, na qualidade de membros que somos do Corpo Místico de Cristo, tudo é nosso, porque tudo é da Cabeça, Cristo Jesus.
E fico no meu lugar, rezando por si, por todos aqueles que consigo vão trabalhar, para que seja uma campanha que dê muita glória a Deus, leve muita luz e graça às almas, paz à Santa Igreja e ao mundo ensanguentado em guerras.
Talvez também fosse bom apresentar a campanha, não só como cumprimento da Mensagem, mas também como campanha de oração e penitência pela paz do Mundo, da Santa Igreja e de Portugal nas Províncias Ultramarinas. E que Portugal, que é tão devoto da Eucaristia e de Maria, seja o primeiro a reconhecer que a oração do Terço não é somente uma oração Mariana, mas também Eucarística. E, por isso, nada deve impedir que se possa rezar diante do Santíssimo Sacramento. Em prova disto está que o Santo Padre Pio XI havia concedido indulgência plenária a quem rezasse o Terço diante do Santíssimo; e recentemente foi de novo concedida a mesma indulgência por Sua Santidade Paulo VI.
É, pois, preciso rezar o Terço, nas Cidades, nas Vilas e nas Aldeias, pelas ruas, pelos caminhos, de viagem ou em casa, nas igrejas e capelas! É a oração acessível a todos, e que todos podem e devem rezar. Há muitos que diariamente não assistem à oração litúrgica da Santa Missa; Se não rezam o Terço, que oração fazem?! E, sem oração, quem se salvará ?! —"Vigiai e orai para não entrardes em tentação».
É preciso, pois, orar, e orar sempre. Isto é, que todas as nossas actividades e trabalhos sejam acompanhados de um grande espírito de oração, porque é na oração que a alma se encontra com Deus; e é nesse encontro que se recebe graça e força, ainda mesmo quando ela é acompanhada de distracções. Ela leva sempre às almas um aumento de Fé, ainda que não seja mais que a recordação momentânea dos mistérios da nossa Redenção, lembrando o Nascimento, Morte e Ressurreição do nosso Salvador; e Deus saberá descontar e perdoar o que toca à humana franqueza, ignorância e pouquidade.
Quanto à repetição das Ave-Marias, não é como querem fazer crer que seja uma coisa antiquanda. Todas as coisas que existem e foram criadas por Deus, se mantêm e conservam por meio da repetição, continuada sempre, dos mesmos actos. E ainda a ninguém se ocorreu chamar antiquado ao sol, lua, estrelas, aves e plantas, etc., porque giram, vivem e brotam sempre do mesmo modo! E são bem mais antigos que a reza do Terço! Para Deus, nada é antigo. — São João diz que o Bem-aventurados, no Céu, cantam um cântico novo, repetindo sempre; Santo, Santo é o Senhor, Deus dos Exércitos! É novo, porque, na luz de Deus, tudo aparece com novo brilho!
Um grande abraço da sempre em união de orações.
Irmã Lúcia
i.c.d.
***
J.M.
Coimbra, 29-5-1970
Querida Maria Teresa:
http://1.bp.blogspot.com/-F03SbsmZHh4/TZJvaTOhW2I/AAAAAAAAAoc/2Ovjx1DJILY/s1600/lucia_24.jpg
 
Pax Christi

Respondo às suas cartas no dia do aniversário da Ordenação do Santo Padre. Hoje é tudo por Sua Santidade. Que Nossa Senhora seja a portadora das nossas pobres e humildes orações.
Agradeço as suas cartas e os recortes... Gostei muito de ver como já estão a recuar... Bendito seja Deus! E continuamos a rezar para que tudo se normalize.
A lista sobre o "cancro» é horrível! Como os partidários do demónio trabalham para o mal, e não têm medo de nada! Nem de ficar mal colocados, nem de perder! Andam sempre para diante, com ousadia destemível! E só nós havemos de acobardar-nos?! Acaso Deus pode menos que o demónio?! Ou temos nós menos Fé em Deus e no Seu poder?! — É preciso andar para diante sem medo e sem receio. Deus está connosco, e Ele há-de vencer.

Deus queira que a entrevista com o Sr. Arcebispo de Mitilene tenha corrido bem, e que Sua Ex.a não seja um dos medricas... Penso que o melhor seria fazerem as coisas com o conhecimento de Suas Ex.cias, mas sem que tomem responsabilidade, (como se não soubessem), isto é, para se evitar o inconveniente dos medos ... Depois, em vendo o êxito, então já podem declarar-se a tomar parte.
Claro que a parte secular e feminina pode iniciar muita coisa que a sua dignidade, em princípio, pode hesitar. Mas nós sabemos que Deus e Nossa Senhora está connosco, e, por isso, não temos medo. Caso encontre dificuldades, penso que podia dizer isto, ou apresentar o problema sob este ponto de vista: como se não soubessem e se tratasse simplesmente de iniciativa de mulheres. Também foi assim que se conseguiu iniciar a Peregrinação Mundial da Imagem Peregrina. Os princípios são sempre muito difíceis, por causa dos medos... Depois, estes desvanecem-se. Todos ajudam e tomam parte.
Quanto ao que me diz do Sacerdote que está em Fátima, penso também que não deve ter medo. Nós devemos pôr a nossa confiança em Deus e na protecção de Nossa Senhora. Nós somos apenas instrumentos muito fracos nas Suas Mãos, e de que Eles se servem para a Sua Glória; mas não deve o medo impedir-nos de servir para o que Eles quiserem.
Penso que não há-de ser nada difícil conseguir que o Santo Padre, na Televisão, reze o Terço com o Mundo. Depois de tudo bem organizado, já se vê. E se fosse em Fátima?! — Vamos trabalhar, e eu aqui, no meu convento, a rezar!
Um grande abraço da sempre dedicada e em união de orações.
Irmã Lúcia, i.c.d.
P.E. — Talvez que esse Sr. Padre, de quem me fala na sua carta, pudesse iniciar, na Rússia, a reza do Terço, escrevendo ao Patriarca de Moscovo.
***
 http://4.bp.blogspot.com/_fw9m61IFmhk/RgowKFZ_OoI/AAAAAAAAAEo/B0U3umJSbe8/s320/irma_lucia1.jpg
J.M.J.T.
Coimbra, 16-9-1970
Querida Madre Martins:

Pax Christi
Recebi a sua carta, que muito agradeço. Há muito que não recebia as suas notícias; e nem sabia bem como se encontrava de saúde, nem como tinha ficado depois da operação. Pelo que me diz, vejo que deveu ficar a sofrer bastante! É a penitência que o Senhor agora lhe pede; e estas, que Ele nos envia, são as mais custosas. Mas também são as que mais nos unem a Ele, que foi o Mártir das Dores.
Eu também não tenho passado lá muito bem do coração, da vista, etc.; mas é preciso quem complete em si o que falta à Paixão de Cristo. É preciso que os Seus membros sejam um com Ele, pela dor física e pela angústia moral... Pobre Senhor, que nos salvou com tanto amor, e tão pouco compreendido é! Tão pouco amado! Tão mal servido! É doloroso ver tanta desorientação, e em tantas pessoas que ocupam lugares de responsabilidade!...
Temos nós, tanto quanto nos seja possível, que procurar reparar, por uma união cada vez mais íntima com o Senhor, identificar-nos com Ele, para que Ele seja, em nós, a luz do mundo mergulhado nas trevas do erro, da imoralidade e do orgulho. Faz-me pena ver o que me diz, do que também já por aí se passa!
... É que o demónio tem conseguido infiltrar o mal, com capa de bem, e andam cegos a guiar outros cegos, como nos diz o Senhor no seu Evangelho; e as almas vã-se deixando iludir.
De boa vontade me sacrifico, e ofereço a Deus a vida; pela paz da Sua Igreja, pelos sacerdotes e por todas as almas consagradas, sobretudo por aquelas que andam tão iludidas e tão transviadas! Pelos nossos Irmãos separados: Que Deus a todos dê luz e os traga ao bom caminho, — ao caminho da Verdade, que é Jesus Cristo.
Quanto ao que me diz da reza do Terço é uma grande pena! Porque a oração do Rosário ou Terço é, depois da Sagrada Liturgia Eucarística, a que mais nos une com Deus, pela riqueza das orações de que se compõe, todas elas vindas do Céu, ditadas pelo Pai, pelo Filho e pelo Espírito Santo.
A Glória, que rezamos em todos os mistérios, foi ditada pelo Pai aos Anjos, quando os enviou a cantá-la junto do Seu Verbo recém-nascido, e é um hino à Trindade.
O Pai-Nosso foi-nos ditado pelo Filho, e é uma oração dirigida ao Pai.
A Ave-Maria é, toda ela, impregnada de sentido Trinitário e Eucarístico: As primeiras foram ditadas pelo Pai ao Anjo, quando O enviou a anunciar o mistério da Encarnação do Verbo.
"Ave-Maria, cheia de graça, o Senhor é convosco»: Sois cheia de graça porque em Ti reside a fonte da mesma Graça. É pela Tua união com a Santíssima Trindade, que Tu és cheia de graça.
Movida pelo Espírito Santo, disse Santa Isabel: "Bendita sois Vós, entre as mulheres, e bendito é o fruto do vosso ventre, Jesus»: Se sois bendita, é porque é bendito o fruto do vosso ventre, Jesus.
A Igreja, também movida pelo Espírito Santo, acrescentou: "Santa Maria, Mãe de Deus, rogai por nós, pecadores, agora e na hora da nossa morte»: Isto é também uma oração, dirigida a Deus através de Maria: Porque sois Mãe de Deus, roga por nós.
É oração trinitária, sim, porque Maria foi o primeiro Templo vivo da Santíssima Trindade: "O Espírito Santo descerá sobre Ti, — O Pai Te cobrirá com a Sua sombra, — E o Filho, que de Ti nascer, será chamado o Filho do Altíssimo».
Maria é o primeiro Sacrário vivo onde o Pai encerrou o Seu Verbo. O Seu Coração Imaculado é a primeira custódia que O guardou. O Seu regaço e os Seus braços foram o primeiro altar e o primeiro trono sobre o qual o Filho de Deus, feito homem, foi adorado. — Aí O adoraram os Anjos, os Pastores e os sábios da terra. Maria é a primeira que tomou em Suas mãos, puras e imaculadas, o Filho de Deus; o conduziu ao Templo, para oferecê-Lo ao Pai, como vítima pela salvação do mundo.
Assim, a oração do Terço é, depois da Sagrada Liturgia Eucarística, a que mais nos introduz no mistério íntimo da Santíssima Trindade e da Eucaristia; a que mais nos traz ao espírito os mistérios da Fé, da Esperança e da Caridade.
Ela é o pão espiritual das almas; Quem não ora, definha e morre. É na oração que nos encontramos com Deus, e é nesse encontro que Ele nos comunica a Fé, a Esperança e a Caridade: virtudes estas sem as quais não nos salvaremos.
O Terço é a oração dos pobres e dos ricos, dos sábios e dos ignorantes; Tirar às almas esta devoção, é tirar-lhes o pão espiritual de cada dia. O Terço é a que sustenta a pequenina chama da Fé, que ainda de todo se não apagou em muitas consciências. Mesmo para aquelas almas que rezam sem meditar, o simples acto de tomar o Terço para rezar é já um lembrarem-se de Deus, do Sobrenatural. A simples recordação dos mistérios, em cada dezena, é mais um raio de luz a sustentar, nas almas, a mecha que ainda fumega.
Por isso o Demónio lhe tem feito tanta guerra! E o pior é que tem conseguido iludir e enganar almas cheias de responsabilidade, pelo lugar que ocupam!
... São cegos a guiar outros cegos!... E querem apoiar-se no Concílio! E não vêm que o Sagrado Concílio ordenou que se conservem todas as práticas que no decorrer dos anos se vêm praticando em honra da Imaculada Virgem Mãe de Deus; e que a oração do santo Rosário, ou Terço é uma das principais a que, em face do ordenado pelo Sagrada Concílio e pelo Sumo Pontífice, estamos obrigados; isto é, devemos conservar. Eu tenho uma grande esperança: que não virá longe o dia em que a oração do santo Rosário e Terço sejam declaradas oração litúrgica. Sim, porque toda ela faz parte da Sagrada Liturgia Eucarística. Oremos, trabalhemos, sacrifiquemo-nos e confiemos que —
"Por Fim, O Meu Imaculado Coração Triunfará"!Adeus, minha querida Irmã. Ainda cá está a imagem do Menino Jesus, que pertence à igreja do Santo Nome de Deus. Quando quiser, pode vir buscá-la.
Um grande abraço para a querida Madre Cunha Matos e para si, da sempre em união de orações.
Não conheço o livro de que me fala.
Irmã Lúcia i.c.d.
***
http://www.cot.org.br/igreja/img/irma_lucia.jpg
 
(Dois excertos de duas cartas)
..."O que alguns desorientados têm propalado contra a reza do Terço é falso.
Mais antiga que a reza do Terço é a luz do sol, e eles não querem deixar de beneficiar do seu brilho e calor; mais antigos são os salmos, e eles, assim como as orações que constituem o Terço fazem parte da Sagrada Liturgia.
A repetição das Ave-Maria, Pai-Nosso e Glória, é a cadeia que nos eleva até Deus e a Ele nos prende, dando-nos a participação da Sua Vida divina em nós, — como a repetição dos pedacinhos de pão, de que nos alimentamos, nos sustenta a vida natural; e não chamos a isso coisa antiquada!
A desorientação é diabólica! Não se deixe enganar» (29-12-1969).
" ... Que esse seu apostolado, assim como o de todos os nossos Irmãos e Irmãs, Missionários, seja para as almas a luz da Fé, que as guie pelo caminho da Verdade, da Esperança e do Amor! — Aquela luz de que nos fala o Senhor, no Seu Evangelho; "Vós sois a luz do mundo e o sal da terra".
É preciso, para isto, não se deixar arrastar pelas doutrinas dos desorientados contestadores... A campanha é diabólica. Precisamos fazer-lhe frente, sem meter-nos em conflitos: — Dizer, às almas, que agora, mais do que nunca, precisamos de orar por nós e pelos que são contra nós!
Precisamos de rezar o Terço todos os dias. É a oração que Nossa Senhora mais recomendou, como que prevenindo-nos para estes dias de campanha diabólica em contra! Sabe o demónio que é pela oração que havemos de nos salvar; e arma-lhe a campanha em contra, para nos perder. Agora que vai começar o mês de Maio, reze com o povo o Terço todos os dias. Não tenha receio de expor o Santíssimo e rezar na Sua presença o Terço.
É falso o que dizem, de que não é litúrgico: As orações do Terço, todas elas fazem parte da Santa Liturgia; e, se não desagradam a Deus, quando as rezamos celebrando o Santo Sacrifício, também Lhe não desagradam se as rezamos na Sua presença, quando está exposto à nossa adoração. Pelo contrário, é a oração que mais Lhe agrada, porque é aquela com que melhor O louvamos.
"Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo», — é a oração ditada pelo Pai aos Anjos, para eles cantarem junto do Presépio do Verbo feito carne: "Glória a Deus...» "Pai Nosso, que estais no Céu...»: a oração ensinada por Jesus Cristo à Humanidade; "Quando quiserdes orar, dizei: Pai Nosso, que estais no Céu...». E a Ave-Maria que é senão um louvor e uma prece dirigida a Deus? — "Ave-Maria, cheia de graça o Senhor é convosco»: Como se disséssemos; Eu te saúdo, Maria, não por Ti mas pelo Senhor que está contigo, pelo Senhor que em Ti habita e Te escolheu para Santuário vivo onde encerrou o Seu Verbo, Deus e Homem verdadeiro! Ajoelho-me na Tua presença, porque Tu és o primeiro Templo vivo habitado pela Santíssima Trindade! Bendito é o fruto do Teu ventre, porque esse Fruto é Jesus, Filho de Deus. Em Ti O adoro, como no Sacrário; louvo, como na Hóstia, de que Tu és a Custódia! E já que Tu és uma custódia viva, Mãe de Deus e Mãe nossa, roga por nós, pobres pecadores, agora e na hora da nossa morte.
Que oração mais Eucarística poderemos nós rezar, se lhe damos o verdadeiro sentido? Não é rezar à toa, nem repetir em vão as mesmas palavras. O Evangelista diz-nos que Jesus Cristo, no Jardim das Oliveiras, orou ao Pai durante três horas, repetindo sempre as mesmas palavras; "Pai! Se é possível, afasta de mim este cálix; mas não se faça a Minha vontade, mas a Tua».
Ora, durante a reza do Terço, não estamos três horas repetindo as mesmas palavras. E, afinal, Deus, Criador de tudo quanto existe, ordenou que todos os seres criados se conservem mediate uma repetição contínua dos mesmos actos, movimentos e sons: Os astros giram sempre do mesmo modo; a terra em volta do mesmo eixo; o sol incide a sua luz e os seus raios do mesmo modo; as plantas brotam, dão flores e frutos, cada uma segundo a sua espécie, todos os anos do mesmo modo, etc.; e assim todos os mais seres que existem. Nós mesmos vivemos, respiramos e aspiramos, repetindo sempre o mesmo funcionamento orgânico. E assim tudo o mais. E a ninguém se lhe ocorreu ainda dizer que é uma maneira de viver antiquada! Porque então o há-de ser a oração que Deus nos ensinou e tanto nos tem recomendado?!
É fácil de ver aqui o ardil do demónio e dos seus sequazes, que querem afastar as almas de Deus, afastando-as da oração. É na oração que as almas se encontram com Deus, e é nesse encontro que Deus se dá às almas, comunicando-lhes as suas graças, as suas luzes e os seus dons. Por isso lhe fazem tanta guerra! Não se deixe enganar. Elucide as almas que lhe estão confiadas, e reze com elas o Terço, todos os dias; reze-o na igreja, nas ruas, nos caminhos e nas praças. Se lhe for possível, percorra as ruas, rezando e cantando o Terço com o povo; e termine, na igreja, dando a bênção com o Santíssimo. Isto, em espírito de oração e penitência, pedindo a paz para a Igreja, para as nossas Províncias Ultramarinas e para o mundo.
Estou certa de que, se fizer um apelo assim nesse sentido, as almas seguem-no e vão de boa vontade, porque as ovelhas seguem o seu pastor, quando ele as sabe guiar e conduzir pelo bom caminho.
P.S. — Suponho que tem conhecimento de que, ainda há pouco, o Santo Padre concedeu indulgência plenária a todos que rezarem o Terço diante do Santíssimo.
Irmã Lúcia do Coração Imaculado (4-4-1970)
__________________________http://blog.cancaonova.com/fatimahoje/files/2008/02/hearwitness1.jpg______________
Irmã Lúcia fala com o Padre Fuentes sobre o Terço
Com respeito ao Santo Rosário, Irmã Lúcia, falando com o Padre Fuentes na entrevista (autentica) de 26 de Dezembro de 1957, disse:
“Olhe, Senhor Padre, a Santíssima Virgem, nestes últimos tempos em que vivemos, deu uma nova eficácia à oração do Santo Rosário. De tal maneira que agora não há problema, por mais difícil que seja, seja temporal ou, sobretudo, espiritual – que se refira à vida pessoal de cada um de nós; ou à vida das nossas famílias, sejam as famílias do mundo sejam as Comunidades Religiosas; ou à vida dos povos e das nações –, não há problema, repito, por mais difícil que seja, que não possamos resolver agora com a oração do Santo Rosário.
“Com o Santo Rosário nos salvaremos, nos santificaremos,
consolaremos a Nosso Senhor e obteremos a salvação de muitas almas.”
Marcadores: Devoção, Espiritualidade Mariana, Oração, Rosário
Segredos de Fátima.

O Grande Castigo iminente revelado no Terceiro Segredo de Fátima
pelo Padre Paul Kramer, B.Ph., S.T.B., M. Div., S.T.L.(Cand.)

Na primeira parte desta série sobre o Grande Castigo iminente, concentrei-me em especial no aspecto físico do castigo: o papel da Rússia em fazer guerras e provocar a aniquilação de nações. A aniquilação de metade do mundo parece ser, no mínimo, bastante pavorosa - seria a maior catástrofe desde o Dilúvio. Este, porém, não é o aspecto mais terrível do castigo profetizado no Segredo. O que é mais assustador é o castigo espiritual que o Segredo profetiza.
A segunda parte do Segredo já fala sobre a perseguição da Igreja e do Santo Padre. Em 13 de Julho de 1917, Nossa Senhora de Fátima avisou:
Se atenderem a Meus pedidos, a Rússia se converterá e terão paz; se não, espalhará seus erros pelo mundo, promovendo guerras e perseguições à Igreja. Os bons serão martirizados, o Santo Padre terá muito que sofrer, várias nações serão aniquiladas.
"Deus - disse Nossa Senhora - vai punir o mundo de seus crimes, por meio da guerra, da fome e de perseguições à Igreja e ao Santo Padre." A perseguição da Igreja que vai ter lugar será tal como nunca antes aconteceu em toda a história do mundo. Acontecerá o que parecia impossível, mas que está anunciado na parte não publicada do Terceiro Segredo e nas Sagradas Escrituras.
Na sua carta ao Professor Baumgartner, o Cardeal Mario Luigi Ciappi revelou: "No Terceiro Segredo é predito, entre outras coisas, que a grande apostasia na Igreja começará pelo cimo." Isto corresponde ao que o Livro das Lamentações revela: "Nunca acreditariam nem os reis da terra nem nenhum dos habitantes do mundo que algum inimigo ou adversário transporia as portas de Jerusalém." O que está predito é que os partidários do demónio ocuparão a Cúria Romana sob um antipapa maçónico.
Em 1998, o falecido Padre Malachi Martin disse no programa radiofonico "The Art Bell Show" que, no início de Fevereiro de 1960, quando era Secretário do Cardeal Bea, teve a oportunidade de ler o Terceiro Segredo de Fátima, que descreveu como sendo escrito numa única folha de papel. Mais disse que as palavras de Nossa Senhora eram muito sintéticas e específicas, e que falavam de um futuro "papa" - um impostor que usurparia a Santa Sé de Roma, estando completamente sob o controlo do demónio. Assim, o Terceiro Segredo de Fátima revela o "mistério de impiedade" (2 Tess. 2:7): A falsa Igreja "Católica" - a contra-Igreja, a anti-Igreja - o mistério do dragão, cuja cauda varreu a terça parte das "estrelas do Céu", isto é, a terça parte da hierarquia católica sob a direcção do antipapa herético.
É isto que o Papa João Paulo II revelou enigmaticamente a respeito do Terceiro Segredo em 13 de Maio de 2000: "A mensagem de Fátima é um apelo à conversão, altertando a Humanidade para não fazer o jogo do «dragão» cuja «cauda arrastou um terço das estrelas do Céu e lançou-as sobre a terra»"(Apoc. 12:4)
Quando falei com o Padre Malachi Martin sobre o antipapa herético da apostasia no Terceiro Segredo, a resposta do Padre Malachi foi: "Assim fosse só isso!" O antipapa e os seus colaboradores apóstatas serão (como diz a Irmã Lúcia) "partidários do demónio [que] trabalham para o mal e não têm medo de nada."1 Estes "partidários do demónio" constituem o "terço das estrelas do Céu" arrastadas pela cauda do dragão. Estes homens, que se apresentam como clérigos ‘católicos’, são membros secretos da seita e estão consagrados ao demónio. Chegarão a controlar o aparelho de estado do Vaticano e a estabelecer o ramo ‘católico’ de uma nova religião universal ecuménica. A sua falsa ‘igreja’ será católica apenas no nome. Formará a parte ‘católica’ da religião estabelecida e obrigatória da Nova Ordem Mundial. O Catolicismo autêntico será posto fora da lei, e os fiéis Católicos que restarem serão sujeitos à perseguição mais feroz que alguma vez houve na história do mundo.
Os Católicos não serão benvindos na Civilização do Amor: o exclusivismo dos seus dogmas (como, por exemplo, extra ecclesiam nulla salus, ou seja, "Fora da Igreja não há salvação") fará com que sejam considerados perigosos ‘fanáticos’ e ‘terroristas’ - uma ameaça mortal à unidade e ‘paz’ ecuménicas da Nova Ordem Mundial. Assim, a verdadeira Igreja Católica será tratada como uma organização fora da lei, e uma ameaça à paz mundial. A situação da Igreja será, pois, a mesma que havia durante as perseguições romanas, quando a Igreja era considerada uma organização subversiva e criminosa. Serão promulgadas leis penais para castigar os praticantes não-conformistas de formas ‘ultrapassadas’ de religião pré-conciliar que ameaçam a ‘paz’ mundial (a ordem ecuménica neo-pagã da Civilização do Amor) pelo seu apego divisivo a um exclusivismo dogmático que (como já se alega) leva a ‘perseguições’ inquisitoriais, guerras religiosas e cruzadas.
Oferecer-se-á aos Católicos uma alternativa, para que possam evitar as maçadas da perseguição e do martírio. A vasta maioria será levada pelo engano e cometerá apostasia. À semelhança do que hoje se passa na China, terão o seu latim, o seu incenso, a sua ‘Missa’, etc. - mas com a condição de estarem em comunhão com a igreja estabelecida - com a Roma que já nessa altura será apóstata. Serão obrigados a estar sujeitos ao papa impostor, cuja igreja falsa estará em comunhão com a Grande Igreja Ecuménica que unirá todas as religiões.
Os que tiverem a graça e a fortaleza de se manterem fiéis à Fé Católica recusar-se-ão a abandonar a verdadeira religião católica tradicional. Porque recusaram, serão tidos como fanáticos incorrigíveis e cismáticos obstinados. Serão desprezados por toda a parte como inimigos da Civilização do Amor, e serão acusados pelo fracasso da Nova Ordem Mundial em alcançar paz, amor, unidade e harmonia universais. O seu destino é-nos mostrado pela visão do Terceiro Segredo: o Papa, o clero e os Católicos fiéis serão sistematicamente perseguidos e brutalmente exterminados por se recusarem a abraçar a falsa religião do Ecumenismo e da Liberdade Religiosa, princípios estes que foram vigorosa e explicitamente condenados pela Igreja Católica nas declarações pré-conciliares de Papas como Pio IX no Syllabus, Pio XI na Mortalium Animos e Gregório XVI na Mirari vos.
S. Metódio (†358) escreveu, acerca desta perseguição: "Chegará o tempo em que os inimigos de Cristo se hão-de vangloriar: ‘Sujeitámos a terra e todos os seus habitantes, e os Cristãos não podem escapar das nossas mãos.’"
Segundo S. Cesário de Arles (469-543), "haverá uma grande carnificina ... os altares e os templos serão destruídos ... os pastores da Igreja abandonarão os seus púlpitos, e a própria Igreja será despojada de tudo quanto é temporal."
Particularmente significativa é a profecia do Bispo George Michael Wittman (†1833):
Ai de mim! Vêm aí dias tristes para a Santa Igreja de Jesus Cristo. A Paixão de Jesus será renovada da maneira mais dolorosa na Igreja e no seu Chefe Supremo. Em todas as partes do mundo haverá guerras e revoluções, e correrá muito sangue. Angústias, desastres e pobreza serão grandes por toda a parte, porque as doenças pestilenciais, a carestia e outras desgraças seguir-se-ão umas às outras.
Mãos violentas serão postas sobre o Chefe Supremo da Igreja Católica: bispos e padres serão perseguidos, e um cisma será provocado, e reinará a confusão por todas as classes. Virão tempos tão preeminentemente maus, que parecerá que os inimigos de Cristo e da Sua Santa Igreja, que Ele fundou com o Seu Sangue, estão prestes a triunfar sobre Ela ... As sociedades secretas causarão grande ruína, e exercerão um poder monetário espantoso, e através dele muitos ficarão cegos, e infectados com os erros mais horríveis: todavia, tudo isto de nada lhes valerá ... não podem abalar a rocha sobre a qual Cristo fundou a Sua Igreja: ‘Portae inferi non praevalebunt’.
Anna Katarina Emmerich (1774-1824), freira agostinha alemã que foi estigmatizada, profetizou igualmente a vinda da "falsa igreja da escuridão":
"Vi uma igreja estranha a ser construída contra todas as regras ... como também a nova igreja heterodoxa de Roma. A Igreja está em grande perigo. Estão já a exigir algo dele (do Papa). A doutrina protestante e a dos Gregos cismáticos espalhar-se-ão por toda a parte... A Igreja está a ser minada com grande sagacidade. Vi que muitos pastores deixaram-se levar por ideias perigosas à Igreja. Estavam a construir uma Igreja grande, estranha e extravagante. Toda a gente seria admitida nela para estarem todos unidos e com direitos iguais: Evangélicos, Católicos, seitas de todo o género. Assim viria a ser a nova Igreja."
A Irmã Emmerich resumiu assim a sua descrição da tribulação da Igreja: "Naqueles dias, a Fé cairá muito baixo, e só se conservará nalguns lugares, nalgumas casas de campo e nalgumas famílias que Deus protegeu dos desastres e das guerras."
A Igreja Católica, evidentemente, não será a verdadeira causa do fracasso da Civilização do Amor. Será assim entendido pelas nações apóstatas e infieis do mundo porque a Fé da Igreja constituirá o testemunho contra a ausência de Deus da Nova Ordem Mundial. Precisamente porque os apóstatas serão despojados da luz da Fé e dos dons do Espírito Santo é que, na cegueira do seu intelecto escurecido, deixarão de compreender a verdade ensinada por Santo Agostinho - que a Cidade do Homem, sem Deus, não pode consistir na paz porque não tem fé e é perversa na sua rebelião contra Deus, e fará com que a cólera de Deus caia sobre si.
Haverá uma grande apostasia. Está profetizada nas Sagradas Escrituras. (2 Tess. 2:3) Está mencionado em muitas profecias dos Santos e aparições da Santíssima Virgem, e está revelado no Terceiro Segredo de Fátima. A apostasia é uma parte grande e integral daquilo a que S. Paulo chamava "mistério da impiedade [que] já está operando vigorosamente". (2Tess. 2:7) É, de facto, um mistério, porque o mal é em si um mistério; mas não é mistério a razão por que o aparelho de estado do Vaticano, dirigido pelo Cardeal Angelo Sodano, não quer que os fiéis católicos saibam do conteúdo do Terceiro Segredo, no que se refere à apostasia. Não é porque eles não querem que se confunda "a profecia religiosa com o sensacionalismo", como falsamente disse o Cardeal Ratzinger em 1984. Não é para o bem da Igreja e a salvação das almas; mas é antes para que eles não sejam censurados, e para defender a sua estratégia modernista e as suas próprias carreiras eclesiásticas que se conluiaram diabolicamente para evitar a publicação das "palavras que Nossa Senhora confiou aos três pastorinhos, como Segredo, na Cova da Iria."2 São eles, afinal, os que promovem os ensinamentos condenados do Ecumenismo e da Liberdade Religiosa em nome do Vaticano II, e que querem fazer destes erros condenados a pedra angular da nova religião, a que o Cardeal Benelli chamou Igreja Conciliar, com a sua Nova Evangelização e a sua Civilização do Amor. O Terceiro Segredo de Fátima é um libelo acusatório contra eles, e crava uma estaca no coração da falsa igreja.
Como já fiz notar, é um mistério como quase toda a Igreja cairia na apostasia. Tal coisa nunca poderia suceder numa Igreja em que os fiéis estivessem bem instruídos na Doutrina Cristã tradicional e na prática das virtudes cristãs. Não será a Nova Evangelização, mas a fidelidade à Tradição, que conservará um resto de Católicos na Fé, como explicou S. Vicente de Lérins: "O que fará o Católico ... se algum novo contágio tentar envenenar, não apenas uma pequena parte da Igreja, mas toda a Igreja de uma só vez? Nessa altura, a sua grande preocupação será manter-se ligado às coisas antigas, que já não podem ser desencaminhadas por alguma novidade mentirosa."
Infelizmente, os Católicos hoje não estão bem instruídos na Tradição católica da antiguidade ou na ortodoxia do catecismo tradicional, mas, pelo contrário, no novo catecismo do ‘magistério vivo’ e da ‘tradição viva’ da Igreja Conciliar e da Nova Evangelização. A ‘renovação postconciliar’ que foi trazida pelo aggiornamento, a implementação das reformas postconciliares, produziram a ‘perda da Fé’ e a ‘desorientação diabólica’ a que o antigo Bispo de Fátima (D. Alberto Cosme do Amaral) e a Irmã Lúcia se referiram como sendo o ponto central do Terceiro Segredo of Fátima."A desorientação é diabólica – escreveu a Irmã Lúcia [29-12-1969]; "Não se deixe enganar." A desorientação é doutrinal: "em estes tempos de desorientação diabólica, nos não deixemos enganar por falsas doutrinas." [12-4-1970] É um "cancro" na Igreja [29-5-1970] que afecta "sacerdotes" e "almas consagradas" que "andam transviadas": "É doloroso – escreveu a Irmã Lúcia [16-9-1970] – ver tanta desorientação, e em tantas pessoas que ocupam lugares de responsabilidade! (…) andam cegos a guiar outros cegos". Portanto, são os que ocupam as posições mais elevadas na Cúria Romana quem abriu caminho à Grande Apostasia.
Padre Joaquín Alonso, que foi o arquivista oficial de Fátima durante dezasseis anos, acertou em cheio quando disse: "Seria, então de toda a probabilidade que (…) o texto [do Terceiro Segredo] faça referências concretas à crise da Fé na Igreja e à negligência dos Seus próprios Pastores [e às] lutas intestinas no seio da própria Igreja e de graves negligências pastorais por parte das altas Hierarquias."
"Poucas semanas antes de morrer, – como escreveu Frei Michel da Santíssima Trindade – [o Padre Alonso], prudentemente, deu a ideia de justificar o silêncio de Roma (quanto ao Terceiro Segredo) ao escrever estas linhas de uma clarividência notável:
Uma revelação inoportuna do texto apenas exasperaria ainda mais as duas tendências que continuam a dividir a Igreja: um tradicionalismo que crê ser apoiado pelas profecias de Fátima, e um progressismo que atacaria violentamente estas aparições, que pareceriam, de uma maneira tão escandalosa, travar o progresso da Igreja conciliar... O Papa Paulo VI julgou oportuno e prudente adiar a revelação do texto para dias melhores. O Papa João XXIII declarou que o texto não se referia ao seu pontificado. ... E os Papas seguintes consideraram que não tinha chegado o momento de levantar o véu do mistério, em circunstâncias em que a Igreja ainda não tinha superado o impacto assustador de vinte anos postconciliares, durante os quais a crise da Fé se instalou a todos os níveis. (sublinhado meu)
Aqui está o libelo acusatório contra o aparelho de estado do Vaticano a respeito do Terceiro Segredo: os que ocupam os cargos de autoridade mais altos é que são, na sua negligência, os responsáveis pela desorientação diabólica na Igreja, e o resultado é que "a crise da Fé se instalou a todos os níveis." É literalmente verdade que a desorientação diabólica se instalou na Igreja a todos os níveis, incluindo o mais alto nível. A prova disto é que se ensinam heresias ao mais alto nível em Roma: em nome do ‘magistério vivo’ e da ‘tradição viva’ da ‘Igreja’, o sentido e a compreensão do dogma definido estão a ser mudados.
Aqui está um dos muitos exemplos de heresia que estão a ser ensinados ao mais alto nível na Igreja, como se de doutrina católica se tratasse: o Catecismo Católico ensinou sempre, como parte da doutrina cristã, que o Antigo Testamento terminava com o início do Novo Testamento, que o substituía. Esta é a doutrina da Fé universal e perpétua da Igreja Católica. É ensinada numa multidão de catecismos, manuais de doutrina cristã e tratados de teologia, aprovados pela autoridade eclesiástica e pontifícia, e garantidos como estando livres de erros doutrinais. É também expressamente o ensino apostólico das Sagradas Escrituras. S. Paulo, escrevendo especificamente sobre o tema da relação entre o Velho Testamento e o Novo, cita Jeremias: "Contrairei com a casa de Israel, e com a casa de Judá, uma nova aliança: não como a aliança que Eu fiz com os seus pais ..." (Heb. 8:8-9) S. Paulo explica então, sob a inspiração infalível do Espírito Santo: "Chamando-a nova, Ele deu por antiquada a primeira. E o que é antiquado e envelhece, está a chegar ao fim." (Heb. 8:13) O fim [aphanismou] tem o sentido de ‘destruição’. (aphanismos ‘desaparecimento’; ‘destruição’. Heb. 8:13)3
A doutrina da supressão do Velho Testamento pelo Novo é um artigo definido da Fé Católica. Na Profissão de Fé solene do Concílio Ecuménico de Florença, sob a autoridade do Papa Eugénio IV, lê-se:
A sacrossanta Igreja Romana ... crê firmemente, professa, e ensina que a matéria pertencente ao Velho Testamento, da Lei Mosaica, dividida em cerimónias, ritos sagrados, sacrifícios e sacramentos, porque foram estabelecidos para significar algo no futuro, embora fossem adequados ao culto divino naquele tempo, depois da vinda de Nosso Senhor, que eles significavam, cessaram, e os sacramentos do Novo Testamento começaram; ... Todos aqueles, portanto, que a partir desta altura observam a circuncisão e o dia de Sábado e as demais obrigações da lei, [a Igreja Romana] declara-os afastados da Fé Cristã e de modo algum capazes de participar na salvação eterna, a não ser que um dia abandonem estes erros. (D.S. 1348)
A nova doutrina da Igreja Conciliar opõe-se directamente a este dogma da Fé Católica. Em 17 de Novembro de 1980, o Papa João Paulo II declarou, numa alocução à comunidade judaica de Mainz, na Alemanha, que a "Velha Aliança" nunca tinha sido "revogada por Deus." Isto é heresia. Continua a ser heresia, apesar de ser a doutrina "oficial" do Vaticano (será do Vaticano, mas não da Igreja Católica Romana), apresentada nas Notas sobre a maneira correcta de apresentar os Judeus e o Judaísmo na pregação e na catequese da Igreja Católica Romana, de 1985. O documento declara, no terceiro parágrafo, que o Judaísmo é uma "realidade presente", e não uma "realidade histórica" ultrapassada. O documento cita a autoridade de João Paulo II e cita as palavras do seu discurso, acima mencionado, em que João Paulo II fala do "povo de Deus e da Velha Aliança que nunca foi revogada." John Vennari sublinhou, num artigo recente, que, "Em vez de declarar que as Notas interpretavam mal as suas palavras, João Paulo, pelo contrário, falou do seu apoio incondicional ao documento" em 28 de Outubro de 1985. Da mesma maneira, a Conferência Episcopal dos Estados Unidos caiu na mesma heresia no seu documento A Misericórdia de Deus dura para sempre: Directivas sobre a apresentação dos Judeus e do Judaísmo na pregação católica. O documento cita as palavras do Papa, de que a Velha Aliança "nunca fora revogada", para apoiar a heresia de que Cristo não suplantou a Velha Aliança ao estabelecer a ‘Nova e Eterna Aliança’.4 Eis aqui um exemplo, entre muitos, da desorientação diabólica ao nível mais alto da Igreja.
A Sagrada Doutrina da Fé Católica é imutável, pela sua própria natureza. Isto foi claramente declarado pelo Primeiro Concílio do Vaticano na Dei Filius (Sessão II, Cap. IV), nos seguintes termos:
Pois a doutrina da Fé, que Deus revelou ... foi entregue à Espôsa de Cristo como um depósito divino, para ser por ela fielmente guardada e infalívelmente ensinada. Daí segue que sempre se deve ter por verdadeiro sentido dos dogmas aquêle que a Santa Madre Igreja uma vez tenha declarado, não sendo jamais permitido, nem a título de uma inteligência mais elevada, afastar-se dêste sentido.
Cresçam, pois, e multipliquem-se abundantemente, tanto em cada um como em todos, tanto no homem individual como em tôda a Igreja, segundo o progresso das idades e dos séculos, a inteligência, a ciência e a sabedoria, mas sòmente no seu gênero, isto é, na mesma doutrina, no mesmo sentido e no mesmo pensamento. (S.Vicente de Lirino) [D.S. 3020]
O Papa Gregório XVI declarou a todos os Bispos do mundo católico na Encíclica Mirari vos: "nada do que foi regularmente definido pode ser diminuído, alterado ou acrescentado, e recusa toda e qualquer alteração de sentido, ou até de palavras." Quem quer que mude, altere ou modifique o sentido ou o significado dos artigos da Fé definidos cai na heresia e incorre no anátema promulgado pelo Primeiro Concílio do Vaticano: "Se alguém disser que é possível que se atribua, por vezes, aos dogmas declarados pela Igreja um significado de acordo com o progresso da ciência, diferente do que a Igreja compreendeu e compreende: seja anátema." [D.S. 3043]
Notas
(1) Irmã Lúcia, carta de 29-5-1970.
(2) Comunicado de imprensa do Vaticano à UPI em Fevereiro de 1960.
(3) Joseph Henry Thayer; A Greek-English Lexicon of the New Testament, Grand Rapids, 1982, p. 88.
(4) John Vennari, "The Attack on the Oberammergau Passion Play", Parte III, Catholic Family News, Julho 2003.
Espiritualmente Falidos
A Nova Ordem Mundial do mundo capitalista não pode salvar o mundo da escravatura comunista: é criação da Maçonaria, e a ordem que iria impor ao mundo é substancialmente idêntica ao Comunismo.21 Os principais revolucionários que criaram o mundo comunista, como documenta Manfred Adler,22 eram maçons - o Comunismo é criação da Maçonaria. A luta entre os dois é a luta entre o "Império do Mal" e o "Grande Satanás". Não podemos esperar que o Ocidente salve o mundo do ‘Dragão Vermelho’, apenas para ser devorado pelo ‘Dragão Negro’, porque o Comunismo soviético e a imposição americana da Nova Ordem Mundial são, na realidade, a mesma Besta Maçónica.23
Ocidente corrupto e decadente está carente da sua seiva espiritual, que é a fé em Jesus Cristo. A América não pode salvar o mundo - nem sequer se pode salvar a si própria. O ‘Século Americano’ foi o século passado, e a América, espiritualmente falida, está agora num declínio total e rápido, à medida que se afunda no seu próprio oceano de decadência moral: abortos, divórcios, contracepção, casamentos do mesmo sexo, direitos dos homossexuais, pornografia, etc.; a superpotência titânica sofre o destino do Titanic. A glória da América é a glória do passado.
A profanação de igrejas e santuários católicos por cultos pagãos e a mistura da religião verdadeira com falsas religiões é o sinal de que o castigo virá num futuro imediato. A profanação do santuário, do Local Sagrado de Deus, é um acto sacrílego e blasfemo de impiedade que, em estrita justiça, exige um castigo imediato. Por isso, Deus, para continuar a ser justo, não pode continuar a ser paciente na presenção das abominações sacrílegas que estão agora a acontecer em igrejas e santuários católicos. É precisamente para esta espécie de pecados que Deus declara: "Portanto, também os tratarei com a Minha ira; o Meu olho não os poupará, não Me compadecerei deles... nem terei compaixão alguma; sobre a sua cabeça farei recair as suas obras" (Ezequiel 8:18, 9:10).
10 Preguntas Freqüentes Sobre Fátima
1. QUAL É A MENSAGEM DE FÁTIMA?
A mensagem de Fátima consiste em umas determinadas predições, pedidos, avisos e promesas em relação à Fé e ao mundo que foram comunicadas pela Santa Virgem Maria a três pastorinhos--Lucia, Jacinta e Francisco--numa série de aparições em Fátima entre Maio e Outubro de 1917.
2. PORQUE É QUE EU DEVO ACREDITAR NA MENSAGEM DE FÁTIMA?
Deve acreditar na Mensagem de Fátima, porque:
(1) Foi confirmada por um milagre público sem precedência, o Milagre do Sol, que ocurreu precisamente no momento em que Lúcia disse que ocurreria. Mais de 70,000 pessoas, incluso maçons, comunistas e ateus viram o sol, contrário a todas as leis cósmicas, girar no céu, lançar cores e descer à terra. O acontecimento foi noticiado em jornais pelo mundo fora, incluso no New York Times.
(2) Todos os Papas desde o Milagre de Fátima têm reconhecido que a Mensagem de Fátima é autêntica. Vários Papas foram a Fátima pessoalmente, incluso Paulo VI, João Paulo I e João Paulo II. João Paulo II disse em Fátima em 1982 que "a Mensagem de Fátima impõe uma obrigação sobre a Igreja".
(3) Foram feitos por Deus outros milagres autenticando a Mensagem de Fátima como vinda de Ele, não só na altura do Milagre do Céu, a 13 de Outubro de 1917, mas através dos anos até ao dia de hoje, milagres de conversões e de curas que a ciência não pode explicar por meios naturais.
(4) A Mensagem de Fátima prognosticou acontecimentos mundiais, o que prova que é uma profecia verdadeira.
3. QUE PROGNOSTICOU A MENSAGEM DE FÁTIMA?
A Mensagem de Fátima prognosticou correctamente em 1917 todos os seguintes acontecimentos:
(1) O fim da Primeira Guerra Mundial;
(2) O emergir da Rússia como um poder mundial que "espalharia os seus erros (incluso o comunismo) pelo mundo fora ...promovendo guerras e perseguições à Igreja;
(3) A eleição de um Papa que se chamaria Pío XI;
(4) A emergência de uma segunda Guerra Mundial que seguiria uma luz estranha no céu.
A Mensagem de Fátima prognosticou também que se os pedidos da Virgem Maria em Fátima não fôrem honrados, muitas almas serão perdidas, "o Padre Santo terá muito que sofrer," haverá mais guerras e perseguições à Igreja e "várias nações serão aniquiladas. A aniquilação de nações prognosticada em Fátima ainda não ocurreu, mas muitos temem que em breve acontecerá, porque a imoralidade e a corrupção cresce por todo o mundo.
4. QUE PEDE A MENSAGEM DE FÁTIMA?
Nossa Senhora disse em Fátima que Deus desejava establecer no mundo a devoção ao Coração Imaculado de Maria. Disse que muitas almas seriam salvas do Inferno e a aniquilação das nações seria evitada se, a tempo, fosse establecida a devoção ao Seu Coração Imaculado, principalmente por estes dois meios.
1) A consagração da Rússia ao Coração Imaculado de Maria pelo Papa junto com os bispos do mundo em uma cerimônia solene, e
2) o costume de receber a Santa Comunhão (e outras devoções específicas de aproximadamente 1/2 hora de duraçã o) em reparação pelos pecados cometidos contra a Santa Virgem Maria, no primeiro sábado de cinco meses consecutivos--um costume conhecido pelos Católicos como devoção do "Primeiro Sábado do mes".
5. FORAM HONRADOS ESTES PEDIDOS DE NOSSA SENHORA?
Não, não inteiramente. Um número de fieis pratica a devoção do "Primeiro Sábado," mas falta consagrar a Rússia ao Coração Imaculado de Maria em uma cerimónia solene e pública conduzida pelo Papa junto com os bispos católicos do mundo.
Em 1982 preguntou-se à última vidente sobrevivente de Fátima, Lúcia, que é agora uma freira clausurada vivendo em Coimbra, Portugal, se a consagração tentada pelo Papa João Paulo II tinha sido o suficiente. Respondeu que não foi o suficiente porque a Rússia não foi mencionada e os bispos do mundo não participaram. Outra consagração, tentada em 1984, tão pouco mencionou a Rússia nem involveu a participação de muitos dos bispos do mundo, e a Irmã Lúcia declarou imediatamente que esta consagração também faltou às requisições de Nossa Senhora.
6. QUE AVISA A MENSAGEM DE FÁTIMA?
Avisa que se os pedidos de Nossa Senhora de Fátima pela consagração da Rússia e pela devoção do Primeiro Sábado não forem honrados, a Igreja será perseguida, haverá outras grandes guerras, o Santo Padre sofrerá muito, e serão aniquiladas várias nações. Muitos países serão tiranizados por a ateus militantes Russos. De maior importância, se perderão muitas almas.
7. QUE PROMETE A MENSAGEM DE FÁTIMA?
A Mensagem de Fátima promete que se os pedidos de Nossa Senhora de Fátima forem realizados, “O Meu Imaculado Coração triunfará. O Santo Padre consagrar-Me-á a Rússia, que se converterá, e será concedido ao Mundo algum tempo de paz.”
8. NÃO É VERDADE QUE A CONSAGRAÇÃO DA RÚSSIA FOI FEITA EM 1984 E QUE A "QUEDA DO COMUNISMO" PROVA QUE A CONSAGRAÇÃO FOI EFICAZ E QUE A RÚSSIA AGORA SE ESTÁ CONVERTENDO?
Não, não é verdade. Sabemos que não porque:
(1) A 25 de Março de 1984, depois da consagração do mundo, o Papa João Paulo II disse duas vezes que o pedido de Nossa Senhora que a Rússia fosse consagrada não foi cumprido.
(2) Pouco depois da consagração tentada em 1984, que não mencionou a Rússia nem involveu a participação dos bispos do mundo, a Irmã Lucia declarou que foi insuficiente porque não satisfez os requerimentos especificados por Nossa Senhora.
(3) Desde 1984 o estado espiritual e moral do mundo tem evidentemente piorado: nos últimos 14 anos tem havido 600 milhões de abortos, e têm surgido guerras por todo o mundo. A eutanásia e os atos homosexuais têm sido "legalizados". Na própia Rússia acaba de passar uma lei que discrimina contra a Igreja Católica e a favor do Islã , do Budismo, do Judaismo e das igrejas Ortodoxas que ocuparam forçosamente as paróquias debaixo dos comunistas. Portanto está claro que a Rússia não está convertida à Fé Católica, como prometeu Nossa Senhora que aconteceria se o seu pedido fosse cumprido.
(4) Têm havido muito poucas conversões ao Catolicismo na Rússia nos últimos catorze anos. Em toda a Rússia hoje há só 300.000 católicos--muito menos de um porcento da população Russa. Em contraste, depois de aparecer Nossa Senhora em Guadalupe, México, no Século XVI, mais de 7 milhões de mexicanos se converteram do paganismo à Fé Católica dentro de nove anos e o México veio a ser um país católico.
9. POR QUE A MENSAGEM DE FÁTIMA É IMPORTANTE PARA MIM E PARA A MINHA FAMÍLIA?
A Mensagem de Fátima é importante para si e para a sua família porque envolve a salvação de almas, paz no mundo e, se os pedidos de Nossa Senhora de Fátima não forem realizados, as consequências são a aniquilação de nações e a escravização de toda a humanidade debaixo dos ateus militantes da Rússia.
10. MAS A MENSAGEM DE FÁTIMA NÃO É APENAS UMA REVELAÇÃO PRIVADA QUE NENHUM CATÓLICO TEM QUE ACREDITAR?
Não, não é apenas uma mensagem privada. É uma revelação pública e profética dada pela Virgem María, Mãe de Deus. Não se deve confundir com a "Revelação," ou como também se chama, o Depósito da Fé que acabou com a morte do último apóstolo. Mas uma revelação pública e profética não deve ser desprezada. A profecia da Virgem Maria foi confirmada por um milagre público e autenticada por uma linha inteira de papas. Além disso, as suas predições têm sido realizadas.
Portanto, enquanto que a crença em Nossa Senhora de Fátima, como um artigo de fé, pode não ser um requerimento estrito para os católicos, sería néscio negligenciar uma mensagem do Céu tão obviamente autêntica. Como ensinou São Paulo: "Não desprezar as profecias, mas provar todas as coisas; defender o que é bom." (1 Thess. 5:20-21) A profecia de Fátima tem provado que merece a crença. Não a devemos desprezar, mas antes defender o que nos disse Nossa Senhora em Fátima.
http://www.fatima.org/port/default.html

visto em:confraria de são João Batista