Arquivo do blogue

quinta-feira, 11 de abril de 2019

EM ABRIL DE 2019 BENTO XVI ESCREVE SOBRE A GRAVE CRISE PELA QUAL A IGREJA ESTÁ VIVENDO

 FONTE

O Papa João Paulo II, que conhecia muito bem a situação da teologia moral e a seguia de perto, ordenou que se começasse a trabalhar numa encíclica que pudesse corrigir estas coisas. Foi publicado sob o título Veritatis splendor em 6 de agosto de 1993, provocando reações violentas de teólogos morais. Anteriormente já tinha havido o Catecismo da Igreja Católica que tinha sistematicamente exposto de forma convincente a moral ensinada pela Igreja. (Bento XVI - Abril 2019)

 


De 21 a 24 de fevereiro de 2019, a convite do Papa Francisco, os presidentes de todas as Conferências Episcopais do mundo reuniram-se no Vaticano para refletir juntos sobre a crise da fé e da Igreja sentida em todo o mundo após a difusão de notícias chocantes de abusos cometidos por clérigos contra menores. O volume e a seriedade das informações sobre estes episódios abalaram profundamente os sacerdotes e os leigos e muitos deles determinaram o questionamento da fé da Igreja enquanto tal. Um sinal forte tinha que ser dado e uma tentativa de recomeçar de novo para tornar a Igreja credível novamente como a luz do povo e como uma força que ajuda na luta contra os poderes destrutivos.

Tendo-me comportado, no momento da explosão pública da crise e durante o seu desenvolvimento progressivo, numa posição de responsabilidade como pastor na Igreja, não pude deixar de me perguntar - embora já não tivesse qualquer responsabilidade directa como Emérito - como é que, de um ponto de vista retrospectivo, pude contribuir para esta recuperação. Assim, no período de tempo que vai desde o anúncio da reunião dos presidentes das Conferências Episcopais até ao seu verdadeiro e próprio início, juntei notas com as quais fornecer alguma indicação que possa ser útil neste momento difícil. Na sequência de contactos com o Secretário de Estado, o Cardeal Pietro Parolin, e com o próprio Santo Padre, considero correcto publicar o texto assim concebido em "Klerusblatt".

O meu trabalho está dividido em três partes. Num primeiro ponto, tento, muito brevemente, delinear em geral o contexto social da questão, sem o qual o problema é incompreensível. Tento mostrar que nos anos 60 houve um processo sem precedentes, de uma ordem de grandeza que na história é quase sem precedentes. Pode-se dizer que, no período de vinte anos 1960-1980, os critérios válidos até aquele momento sobre o tema da sexualidade desapareceram completamente e o resultado foi uma ausência de normas que, entretanto, foram feitos esforços para remediar.

Num segundo ponto, procuro mencionar as consequências desta situação na formação e na vida dos sacerdotes.

Finalmente, numa terceira parte, desenvolverei algumas perspectivas para uma justa relocalização por parte da Igreja.

I
O processo iniciado nos anos 60 e a teologia moral

1. A situação começou com a introdução, decretada e apoiada pelo Estado, de crianças e jovens à natureza da sexualidade.  Na Alemanha Kate Strobel, a então Ministra da Saúde, teve um filme produzido para fins informativos no qual tudo o que até então não podia ser exibido publicamente, incluindo as relações sexuais, estava representado. O que inicialmente se destinava apenas a informar os jovens foi mais tarde, naturalmente, aceite como uma possibilidade geral.

Efeitos semelhantes também surgiram na "Sexkoffer" (mala de sexo) editada pelo governo austríaco. Os filmes sexuais e pornográficos tornaram-se uma realidade, a ponto de serem exibidos também nos cinemas das estações. Ainda me lembro como um dia, a caminho de Regensburg, vi que uma multidão de pessoas o esperava diante de um grande cinema, como haviam visto até então apenas em tempos de guerra, quando esperavam uma distribuição extraordinária. Ficou também na minha memória quando, na Sexta-feira Santa de 1970, cheguei à cidade e vi todas as colunas publicitárias cobertas com cartazes publicitários que apresentavam em grande formato duas pessoas completamente nuas abraçadas de perto.

Entre as liberdades que a Revolução de 1968 queria conquistar, havia também a liberdade sexual completa, que já não tolerava mais nenhuma regra. A exibição de filmes com antecedentes sexuais foi latificada, à medida que a violência irrompeu na pequena comunidade de passageiros. Desde que até os excessos de vestimenta provocaram agressão, os diretores tentaram introduzir roupas escolares que permitissem um clima de estudo.

 O facto de a pedofilia ter sido diagnosticada como permitida e conveniente também faz parte da fisionomia da Revolução de 1968. Pelo menos para os jovens da Igreja, mas não só para eles, este foi, em muitos aspectos, um momento muito difícil. Sempre me perguntei como, nesta situação, os jovens poderiam ir ao sacerdócio e aceitá-lo com todas as suas consequências. O colapso generalizado das vocações sacerdotais naqueles anos e o enorme número de demissões do estado clerical foram uma consequência de todos esses processos.

2. Independentemente desse desenvolvimento, ao mesmo tempo houve um colapso da teologia moral católica que tornou a Igreja indefesa diante desses processos na sociedade. Tento delinear muito brevemente o desenvolvimento desta dinâmica. Até o Vaticano II, a teologia moral católica era largamente fundada na lei naturalista, enquanto a Sagrada Escritura era usada apenas como pano de fundo ou apoio. Na luta do Concílio por uma nova compreensão do Apocalipse, a opção da lei naturalista foi quase completamente abandonada e uma teologia moral completamente baseada na Bíblia foi exigida. Ainda me lembro como a Faculdade Jesuíta de Frankfurt preparou um jovem pai muito talentoso (Bruno Schüller) para a elaboração de uma moralidade completamente baseada na Escritura. A bela dissertação do Padre Schüller mostra o primeiro passo na elaboração de uma moralidade baseada na Escritura. Padre Schüller foi então enviado para os Estados Unidos da América para continuar seus estudos e voltou com o conhecimento de que não era possível elaborar uma moralidade sistematicamente apenas a partir da Bíblia. Ele então tentou elaborar uma teologia moral que procederia de forma mais pragmática, mas sem, no entanto, ser capaz de dar uma resposta à crise moral.

Finalmente, a tese foi amplamente aceita de que a moralidade deve ser definida apenas com base nos objetivos da ação humana. O velho adágio "o fim justifica os meios" não foi repetido de forma tão grosseira, mas a concepção que expressava tornou-se decisiva. Portanto, não poderia haver algo absolutamente bom nem sempre mau, mas apenas avaliações relativas. Já não havia nada de bom, mas apenas o que é relativamente melhor neste momento e em função das circunstâncias.

No final dos anos 80 e nos anos 90, a crise das fundações e da apresentação da moral católica atingiu formas dramáticas. A 5 de Janeiro de 1989 foi publicada a "Declaração de Colónia", assinada por 15 professores de teologia católica, que se centrou em vários pontos críticos da relação entre o magistério episcopal e a tarefa da teologia. Este texto, que inicialmente não ultrapassou o nível habitual de queixas, cresceu muito rapidamente, porém, até se 
 um grito de protesto contra o Magistério da Igreja, reunindo de modo visível e audível o potencial de oposição que se está a acumular em todo o mundo contra os esperados textos magisteriais de João Paulo II (cf. D. Mieth, Kölner Erklärung, LThK, VI3, 196).

O Papa João Paulo II, que conhecia muito bem a situação da teologia moral e a seguia de perto, ordenou que se começasse a trabalhar numa encíclica que pudesse corrigir estas coisas. Foi publicado sob o título Veritatis splendor em 6 de agosto de 1993, provocando reações violentas de teólogos morais. Anteriormente já tinha havido o Catecismo da Igreja Católica que tinha sistematicamente exposto de forma convincente a moral ensinada pela Igreja.


Não posso esquecer que Franz Böckle - então um dos principais teólogos morais de língua alemã, que depois de ter sido nomeado professor emérito tinha-se retirado para a sua pátria suíça -, tendo em conta as possíveis decisões do esplendor de Veritatis, declarou que se a Encíclica tivesse decidido que havia acções que sempre e em todas as circunstâncias deviam ser consideradas más, teria levantado a sua voz contra ela com toda a força que tinha. O bom Deus lhe poupou a realização de seu propósito; Böckle morreu em 8 de julho de 1991. A Encíclica foi publicada em 6 de agosto de 1993 e, de fato, continha a afirmação de que há ações que nunca podem se tornar boas. O Papa estava plenamente consciente da importância dessa decisão naquele momento e, precisamente por causa dessa parte de sua redação, tinha consultado novamente especialistas do mais alto nível que, em si mesmos, não haviam participado da redação da Encíclica. Não podia haver dúvidas, e não podia haver dúvidas, de que a moral baseada no princípio do equilíbrio dos bens deve respeitar um limite final. Há bens que não estão disponíveis. Há valores que nunca podem ser sacrificados em nome de um valor ainda maior e que estão acima até da preservação da vida física. Deus é mais do que sobrevivência.

 O facto de a pedofilia ter sido diagnosticada como permitida e conveniente também faz parte da fisionomia da Revolução de 1968. Pelo menos para os jovens da Igreja, mas não só para eles, este foi, em muitos aspectos, um momento muito difícil. Sempre me perguntei como, nesta situação, os jovens poderiam ir ao sacerdócio e aceitá-lo com todas as suas consequências. O colapso generalizado das vocações sacerdotais naqueles anos e o enorme número de demissões do estado clerical foram uma consequência de todos esses processos.

  Uma vida que foi comprada à custa da negação de Deus, uma vida baseada numa mentira final, é uma não-vida. O martírio é uma categoria fundamental da existência cristã. O facto de já não ser moralmente necessário, na teoria apoiada por Böckle e muitos outros, mostra que o que está em jogo é a própria essência do cristianismo.

Na teologia moral, entretanto, outra questão tinha-se tornado urgente: a tese tinha sido amplamente afirmada de que o Magistério da Igreja deveria ter a competência última e definitiva ("infalibilidade") apenas sobre questões de fé, enquanto as questões de moralidade não podiam tornar-se objecto de decisões infalíveis do Magistério eclesial. Nesta tese há certamente algo de certo que merece ser mais discutido e aprofundado. E, no entanto, há um mínimo moral que está inseparavelmente ligado à decisão fundamental da fé e que deve ser defendido, se não se quer reduzir a fé a uma teoria e se reconhece, pelo contrário, a afirmação que ela faz em relação à vida concreta. De tudo isto emerge que a autoridade da Igreja no campo moral é radicalmente questionada. Aqueles que negam à Igreja uma competência doutrinal final neste campo, obrigam-na ao silêncio precisamente onde está em jogo o limite entre verdade e mentira.

Independentemente desta questão, em grandes setores da teologia moral foi desenvolvida a tese de que a Igreja não tem e não pode ter sua própria moral. Ao afirmar isto, enfatiza-se que todas as declarações morais teriam equivalentes também em outras religiões e que, portanto, não poderia haver uma propriedade cristã. Mas a questão do proprium de uma moralidade bíblica não é respondida afirmando que, para cada frase, pode-se encontrar em algum lugar um equivalente nas três religiões. Em vez disso, é toda a moralidade bíblica que, como tal, é nova e diferente das partes individuais. A peculiaridade do ensinamento moral da Sagrada Escritura reside recentemente na sua ancoragem à imagem de Deus, na fé no único Deus que se manifestou em Jesus Cristo e que viveu como homem. O Decálogo é uma aplicação da fé bíblica em Deus à vida humana. A imagem de Deus e a moral caminham juntas e, assim, produzem o que é especificamente novo na atitude cristã em relação ao mundo e à vida humana. Além disso, desde o início, o cristianismo foi descrito pela palavra hodòs. A fé é uma viagem, um modo de vida. Na Igreja antiga, em comparação com uma cultura cada vez mais depravada, o catecumenato estabeleceu-se como um espaço de existência no qual se ensinava e se salvaguardava o específico e novo do modo de vida cristão em relação ao modo de vida comum. Penso que ainda hoje é necessário algo semelhante às comunidades catequéticas para que a vida cristã possa afirmar-se na sua peculiaridade.

II
Primeiras reações eclesiais

1. O processo de dissolução da concepção cristã da moralidade, há muito preparada e contínua, nos anos 60, como tentei mostrar, conheceu uma radicalidade como nunca antes. Esta dissolução da autoridade doutrinal da Igreja em matéria moral teve necessariamente repercussões também nos diversos espaços da vida da Igreja. No contexto do encontro dos presidentes das Conferências Episcopais de todo o mundo, trata-se sobretudo da questão da vida sacerdotal e também dos seminários. No que se refere ao problema da preparação para o ministério sacerdotal nos seminários, há, de facto, um grande colapso da forma desta preparação em vigor até àquele momento.

Em vários seminários foram formados clubes homossexuais que agiram mais ou menos abertamente e que claramente transformaram o clima nos seminários. Num seminário do Sul da Alemanha, viviam juntos os candidatos ao sacerdócio e os candidatos ao ofício laical de referência pastoral. Durante as refeições comuns, os seminaristas estavam junto com os referentes pastorais casados, em parte acompanhados de sua esposa e filho e, em alguns casos, de suas namoradas. O clima no seminário não podia ajudar na formação sacerdotal. A Santa Sé conhecia estes problemas, sem se formar em detalhes. Como primeiro passo, foi organizada uma visita apostólica aos seminários dos Estados Unidos.

Como os critérios para a seleção e nomeação dos bispos também mudaram desde o Concílio Vaticano II, a relação dos bispos com seus seminários também foi diferente. O critério para a nomeação dos novos bispos era agora sobretudo a sua "conciliaridade", já que este termo podia ser usado naturalmente para significar as coisas mais diversas. Em muitas partes da Igreja, o sentimento de conciliarismo era de fato entendido como uma atitude crítica ou negativa em relação à tradição vigente até aquele momento, que agora tinha que ser substituída por uma nova relação radicalmente aberta com o mundo. 

  Um bispo, que antes tinha sido reitor, tinha mostrado os filmes pornográficos dos seminaristas, presumivelmente com a intenção de torná-los capazes de resistir a comportamentos contrários à fé. Houve bispos individuais - e não apenas nos Estados Unidos da América - que rejeitaram a tradição católica como um todo, visando em suas dioceses desenvolver uma espécie de nova e moderna "catolicidade". Talvez valha a pena mencionar que, em não poucos seminários, os alunos pegos lendo meus livros eram considerados impróprios para o sacerdócio. Meus livros foram escondidos como literatura nociva e foram, por assim dizer, lidos debaixo da mesa.

A Visitação que se seguiu não trouxe nenhuma informação nova, porque, evidentemente, forças diferentes se uniram para ocultar a situação real. Foi organizada uma segunda visita que trouxe muito mais informação, mas que, em geral, não teve consequências. No entanto, desde a década de 1970, a situação dos seminários em geral está consolidada. E, no entanto, só esporadicamente ocorreu um fortalecimento das vocações, porque a situação geral se desenvolveu de maneira diferente.

2. A questão da pedofilia, tanto quanto me lembro, só se tornou uma questão escaldante na segunda metade da década de 1980. Entretanto, já tinha crescido nos Estados Unidos, tornando-se um problema público. Assim, os Bispos pediram ajuda a Roma porque o Direito Canónico, tal como estabelecido no Novo Código, não parecia suficiente para adoptar as medidas necessárias. A princípio Roma e os canonistas romanos tiveram dificuldades com este pedido; em sua opinião, para obter purificação e esclarecimento, a suspensão temporária do ministério sacerdotal deveria ter sido suficiente. Isto não podia ser aceite pelos bispos americanos, porque assim os sacerdotes permaneciam ao serviço do bispo, sendo assim considerados como figuras directamente ligadas a ele. Uma renovação e aprofundamento do direito penal, intencionalmente construído de forma branda no Novo Código, só lentamente poderia fazer o seu caminho.

A isto foi acrescentado um problema fundamental que dizia respeito à concepção do direito penal. Até agora, apenas o chamado "garantism" era considerado "reconciliar". Significa que os direitos do arguido tinham de ser garantidos acima de tudo e isto até ao ponto de excluir efectivamente uma condenação. Como contrapeso à possibilidade muitas vezes insuficiente de se defenderem por parte dos teólogos acusados, o seu direito de defesa foi tão alargado no sentido de garantir que as condenações se tornassem quase impossíveis.

Permitam-me, neste momento, fazer uma breve excursão. Perante a extensão dos crimes da pedofilia, vem à mente uma palavra de Jesus que diz: "Quem escandaliza um destes pequeninos que crê, é melhor que ponha uma pedra de burro ao pescoço e seja lançado ao mar" (Mc 9,42). No seu significado original, esta palavra não fala de solicitação de crianças para fins sexuais. O termo "os pequeninos" na linguagem de Jesus designa os simples crentes, que poderiam ser abalados na sua fé pelo orgulho intelectual daqueles que se crêem inteligentes. Jesus aqui então proteger o bem da fé com uma ameaça peremptória de punição para aqueles que os ofendem. O uso moderno dessas palavras em si não é errado, mas não deve ocultar o seu significado original. Nele, contra todas as garantias, torna-se claramente evidente que é importante e que tem de garantir não só o direito do arguido, mas também o direito do arguido. Tão importante quanto os bens preciosos, como a fé. Uma lei canônica equilibrada, que corresponde à mensagem de Jesus em sua totalidade, não deve, portanto, ser garantida apenas em favor do acusado, cujo respeito é um bem protegido pela lei. Um direito canónico construído de forma correcta deve, por conseguinte, conter uma dupla garantia: protecção jurídica do arguido e protecção jurídica do bem em jogo. Quando hoje expomos esta concepção, que é clara em si mesma, chocamo-nos geralmente com a surdez e a indiferença sobre a questão da protecção jurídica da fé. Na consciência jurídica comum, a fé já não parece ter o estatuto de bem a proteger. É uma situação preocupante, sobre a qual os pastores da Igreja devem reflectir e considerar seriamente.


Às breves referências à situação da formação sacerdotal no momento da explosão pública da crise, gostaria agora de acrescentar algumas indicações sobre a evolução do direito canônico nesta questão. Em si mesma, a Congregação para o Clero é responsável pelos crimes cometidos pelos sacerdotes. Uma vez que nela, porém, a garantia então dominou amargamente a situação, concordámos com o Papa João Paulo II sobre a conveniência de atribuir competência sobre estes crimes à Congregação para a Doutrina da Fé, com o título "  "Delicta maiora contra fidem." Com esta atribuição também se tornou possível a pena máxima, ou seja, a redução ao Estado laico, o que não teria sido possível com outros títulos legais. Não foi um estratagema poder impor a pena máxima, mas um estratagema com o peso da fé para que a Igreja fosse seguida. Com efeito, é importante ter presente que, em tais faltas dos clérigos, a fé foi recentemente prejudicada: só quando a fé já não determina a acção dos homens é que tais crimes são possíveis. A gravidade da pena também pressupõe, no entanto, prova clara do crime cometido: é o conteúdo da garantia que permanece em vigor. Por outras palavras: para poder legitimamente impor a pena máxima, é necessário um verdadeiro processo penal. E, no entanto, assim se pedia demasiado, tanto às dioceses como à Santa Sé. Assim, estabelecemos uma forma mínima de processo penal e deixámos em aberto a possibilidade de a própria Santa Sé poder levar a julgamento para si própria, no caso de a diocese ou a metrópole serem incapazes de o conduzir. De qualquer modo, o julgamento teve de ser verificado pela Congregação para a Doutrina da Fé para garantir os direitos dos acusados. No final, porém, em Feria IV (ou seja, a reunião de todos os membros da Congregação), criamos uma instância de recurso, a fim de ter também a possibilidade de um recurso contra o julgamento. Como tudo isso, na realidade, foi além das forças da Congregação para a Doutrina da Fé e há uma vã ocorrência de atrasos que, por causa do assunto, tiveram de ser evitados, o Papa Francisco empreendeu novas reformas.

III
Algumas perspectivas

1. O que devemos fazer? Temos de criar outra Igreja para que as coisas possam ser resolvidas? Esta experiência já foi feita e já falhou. Somente o amor e a obediência ao nosso Senhor Jesus Cristo podem nos mostrar o caminho certo. Procuremos, portanto, em primeiro lugar, compreender de modo novo e profundo o que o Senhor quis e quer de nós.

Antes de tudo, eu diria que se quiséssemos realmente resumir o mais possível o conteúdo da fé fundada na Bíblia, poderíamos dizer: o Senhor começou uma história de amor conosco e quer resumir nela toda a criação. O antídoto para o mal que nos ameaça e ao mundo inteiro ultimamente só pode consistir no fato de que nos abandonamos a este amor. Este é o verdadeiro antídoto para o mal. A força do mal vem da nossa recusa em amar a Deus

Aquele que se confia ao amor de Deus é redimido. A nossa não redenção repousa na nossa incapacidade de amar a Deus. Aprender a amar a Deus é, portanto, o caminho para a redenção dos homens.

Se agora tentarmos realizar um pouco mais amplamente este conteúdo essencial da Revelação de Deus, poderíamos dizer: o primeiro dom fundamental que a fé nos oferece é a certeza de que Deus existe. Um mundo sem Deus só pode ser um mundo sem sentido. Na verdade, de onde vem tudo isso? Em todo caso, faltaria um fundamento espiritual. De alguma forma estaria lá, e seria desprovido de qualquer fim ou significado. Não haveria mais nenhum critério do bem ou do mal. Portanto, apenas os mais fortes teriam valor. O poder torna-se então o único princípio. A verdade não importa, pelo contrário, ela não existe. Só se as coisas tiverem um fundamento espiritual, sei se elas são desejadas e pensadas - só se houver um Deus criador que seja bom e que queira o bem - é que a vida do homem também pode fazer sentido.

Que Deus está lá como criador e medida de todas as coisas é acima de tudo uma necessidade original. Mas um Deus que não se manifestou, que não se deu a conhecer, permaneceria uma hipótese e, portanto, não poderia determinar a forma da nossa vida. Para que Deus seja verdadeiramente Deus na criação consciente, devemos esperar que Ele se manifeste de alguma forma. Fê-lo de muitas maneiras, e de modo decisivo no apelo que foi dirigido a Abraão e deu ao homem aquela orientação, na busca de Deus, que supera todas as expectativas: o próprio Deus da criatura futura, fala a nós homens como homem.

Assim, finalmente, a frase "Deus é" torna-se realmente uma notícia feliz, precisamente porque é mais do que conhecimento, porque gera amor e é amor. Tornar as pessoas novamente conscientes disso representa a primeira e fundamental tarefa que o Senhor nos atribui.

Uma sociedade na qual Deus está ausente -uma sociedade que já não o conhece e o trata como se ele não existisse- é uma sociedade que perde o seu critério. No nosso tempo, o lema da "morte de Deus" foi cunhado. Quando Deus morre numa sociedade, torna-se livre, foi-nos assegurado. Na verdade, a morte de Deus numa sociedade significa também o fim da sua liberdade, porque morre o sentido que oferece orientação. E porque falta o critério que nos mostra a direção, ensinando-nos a distinguir o bem do mal. A sociedade ocidental é uma sociedade na qual Deus, no âmbito da  está ausente e não tem mais nada a dizer-lhe. E por isso é uma sociedade em que o critério e a medida do humano estão cada vez mais perdidos. Em alguns pontos, então, às vezes, torna-se subitamente perceptível que se tornou até mesmo óbvio o que é mau e que destrói o homem. - o caso da pedofilia. Teorizado não há muito tempo como completamente certo, ele se espalhou mais e mais. E agora, abalados e escandalizados, reconhecemos que em nossas crianças e jovens estão comprometidas coisas que arriscam destruí-los. Que isto se possa difundir também na Igreja e entre os sacerdotes deve abalar-nos e escandalizar-nos de modo particular.

Como é que a pedofilia pode atingir tal dimensão? Em última análise, a razão está na ausência de Deus. Nós, cristãos e sacerdotes, também preferimos não falar de Deus, porque é um discurso que não parece ser de utilidade prática. Depois das convulsões da Segunda Guerra Mundial, na Alemanha adoptámos a nossa Constituição, declarando-nos explicitamente responsáveis perante Deus como critério orientador. Meio século depois já não era possível, na Constituição Europeia, assumir a responsabilidade perante Deus como critério de medição. Deus é visto como um assunto de festa de um pequeno grupo e não pode mais ser tomado como um critério para medir a comunidade como um todo. Esta decisão reflecte a situação no Ocidente, onde Deus ficou privado de uma minoria.

A primeira tarefa que deve surgir das turbulências morais do nosso tempo é recomeçar a viver de Deus, dirigido a Ele e em obediência a Ele. Acima de tudo, devemos aprender mais uma vez a reconhecer Deus como o fundamento de nossas vidas e não deixá-lo de lado como se fosse uma palavra vazia. Recordo que o grande teólogo Hans Urs von Balthasar escreveu uma vez numa das suas notas: do Deus Trino, Pai, Filho e Espírito Santo: não o assumam, mas ponham-no de antemão! De facto, mesmo na teologia, Deus é muitas vezes assumido como uma evidência, mas concretamente não se cuida dele. O tema "Deus" parece tão irreal, tão longe das coisas que nos ocupam. E, no entanto, tudo muda se Deus não for assumido, mas colocado diante dele. Se não o deixarmos de alguma forma em segundo plano, mas o reconhecermos como o centro do nosso pensar, falar e agir.

2. Deus tornou-se homem para nós. A criatura humana está tão próxima do seu coração que se uniu a ela e entrou na história de forma concreta. Ele fala conosco, vive conosco, sofre conosco e tomou a morte sobre si mesmo por nós. Nós certamente falamos disso amplamente na teologia com uma linguagem e com conceitos aprendidos. Mas é precisamente assim que surge o perigo de nos tornarmos senhores da fé, em vez de nos deixarmos renovar e dominar pela fé.

Consideremos isto reflectindo sobre um ponto central, a celebração da Santa Eucaristia. A nossa relação com a Eucaristia só pode suscitar preocupação. O Vaticano II pretendia justamente colocar de novo no centro da vida cristã e da existência da Igreja esta sagrada presença do corpo e do sangue de Cristo, da presença da sua pessoa, da sua paixão, morte e ressurreição. Em parte esta coisa realmente aconteceu e por isso queremos agradecer ao Senhor de coração.

Mas uma outra atitude é amplamente dominante: um novo e profundo respeito não domina diante da presença da morte e ressurreição de Cristo, mas um modo de lidar com Ele que destrói a grandeza do mistério. A participação decrescente na celebração dominical da Eucaristia mostra quão pouco nós, cristãos de hoje, somos capazes de avaliar a grandeza do dom que consiste na sua presença real. A Eucaristia é desvalorizada pelo gesto cerimonial quando se considera evidente que as boas maneiras exigem que seja distribuída a todos os convidados por pertencerem ao parente, por ocasião de celebrações familiares ou de eventos como casamentos e funerais. A evidência com que, em alguns lugares, os presentes, simplesmente porque estão presentes, recebem o Santíssimo Sacramento, mostra como, na Comunhão, podemos agora ver apenas um gesto cerimonial. Se refletirmos sobre o que fazer, fica claro que não precisamos de outra Igreja inventada por nós. O que é necessário, ao invés, é a renovação da fé na realidade de Jesus Cristo que nos foi dada no Sacramento.

Nas minhas conversas com as vítimas da pedofilia, tomei cada vez mais consciência desta necessidade. Uma jovem que serviu no altar como menina do altar me disse que o vigário da paróquia, que era seu superior desde que era uma menina do altar, introduziu o abuso sexual que ele estava cometendo sobre ela com estas palavras: "Este é o meu corpo que é dado por você". É claro que aquela menina não pode mais escutar as palavras da consagração sem sentir terrivelmente todo o sofrimento do abuso sofrido sobre si mesma.    Sim, é urgente implorar o perdão do Senhor e sobretudo implorá-lo e pedir-lhe que nos ensine a todos a compreender de novo a grandeza da sua paixão, do seu sacrifício. E devemos fazer todo o possível para proteger do abuso o dom da Santa Eucaristia.

3. E finalmente, aqui está o mistério da Igreja. As palavras em que há quase cem anos Romano Guardini exprimia a alegre esperança que depois se afirmava nele e em muitos outros permanecem gravadas na sua memória: "Começou um acontecimento de incalculável importância: a Igreja desperta nas almas". Com isto quis dizer que a Igreja já não era, como antes, simplesmente um aparelho que se nos apresentava de fora, vivido e percebido como uma espécie de ofício, mas que começava a ser sentido vivo nos próprios corações: não como algo exterior, mas que nos tocava de dentro. Cerca de meio século depois, refletindo novamente sobre esse processo e olhando o que tinha acabado de acontecer, fui tentado a virar a cabeça para a frase: "A Igreja morre nas almas". De facto, hoje em dia, a Igreja é vista apenas como uma espécie de aparelho político. De facto, fala-se dela apenas por categorias políticas, e isto aplica-se também aos bispos que, em grande medida, formulam a sua ideia da Igreja de amanhã quase exclusivamente em termos políticos. A crise causada por muitos casos de abuso por parte dos sacerdotes leva-nos a considerar a Igreja também como um fracasso que devemos tomar decisivamente nas nossas mãos e formar de um modo novo. Mas uma Igreja feita por nós não pode representar qualquer esperança.

O próprio Jesus comparou a Igreja a uma rede de pesca em que há peixes bons e maus, sendo o próprio Deus aquele que eventualmente terá que separar um do outro. Ao lado dela está a parábola da Igreja como um campo sobre o qual cresce o bom grão que o próprio Deus semeou, mas também a dissensão que um "inimigo" semeou secretamente no meio do grão. De facto, a tara no campo de Deus, a Igreja, destaca-se pela sua quantidade e até os maus peixes da rede mostram a sua força. Mas o campo continua a ser o campo de Deus e a rede continua a ser a rede de pesca de Deus. E em todos os tempos há e haverá não só cócegas e maus peixes, mas também a sementeira de Deus e bons peixes. Anunciar ambos em igual medida com a força não é uma falsa apologética, mas um serviço necessário prestado à verdade.

Neste contexto, é necessário fazer referência a um texto importante do Apocalipse de São João. Aqui o diabo é chamado de acusador que acusa os nossos irmãos diante de Deus dia e noite (Ap 12,10). Desta forma, o Apocalipse retoma um pensamento que está no centro da história que enquadra o livro de Jó (Jb 1 e 2, 10; 42, 7-16). Aqui se diz que o diabo tenta desacreditar a retidão e a integridade de Jó como puramente exterior e superficial. É precisamente disso que fala o Apocalipse: o diabo quer mostrar que não há homens justos; que toda a justiça dos homens é apenas uma representação exterior. Que se alguém pudesse testá-lo mais, a aparência de justiça em breve desapareceria. A história começa com uma disputa entre Deus e o diabo na qual Deus apontou Jó como um verdadeiro justo. Agora, então, ele será o teste de quem está certo. Tire suas posses", argumenta o diabo, "e você verá que nada restará de sua devoção. Deus permite-lhe esta tentativa da qual Jó sai de uma forma positiva. Mas o diabo continua e diz: "Pele por pele; tudo o que ele tem, o homem está pronto a dar pela sua vida. Mas estende um pouco a tua mão e toca-a no osso e na carne e verás como ela te abençoará no rosto" (Jb 2,4s). Desta forma, Deus concede ao diabo uma segunda oportunidade. Também lhe é permitido estender a mão a Jó. Só que ele está proibido de o matar. Para os cristãos é claro que aquele Jó que para toda a humanidade está diante de Deus de uma maneira exemplar é Jesus Cristo. Na Revelação, o drama do homem é representado em toda a sua amplitude. O Deus Criador se opõe ao diabo que desacredita toda a criação e toda a humanidade. Ele se volta não só para Deus, mas sobretudo para suas miniaturas e diz: "Mas vejam o que este Deus fez. Aparentemente uma boa criação. Na realidade, como um todo, está cheio de miséria e repugnância. Denegrir a criação é realmente denegrir Deus. O diabo quer mostrar que o próprio Deus não é bom e quer que nos distanciemos dele.

A acusação contra Deus, hoje, concentra-se sobretudo no descrédito da sua Igreja no seu conjunto e, portanto, no distanciamento da mesma. A ideia de uma Igreja melhor criada por nós mesmos é, na verdade, uma proposta do diabo com a qual ele quer nos afastar do Deus vivo, usando uma lógica falsa na qual caímos com demasiada facilidade.  
 . Não, ainda hoje a Igreja não consiste apenas em maus peixes e cócegas. A Igreja de Deus está presente também hoje, e ainda hoje é o instrumento com o qual Deus nos salva. É muito importante contrastar as mentiras e meias verdades do diabo com toda a verdade: sim, o pecado e o mal na Igreja são. Mas ainda hoje há também a Santa Igreja que é indestrutível. Ainda hoje há muitos homens que humildemente crêem, sofrem e amam e nos quais o verdadeiro Deus, o Deus que ama, é mostrado. Ainda hoje Deus tem suas testemunhas ("mártires") no mundo. Só temos de estar vigilantes para os ver e ouvir.

O termo mártir é retirado do direito processual. No processo contra o diabo, Jesus Cristo é o primeiro e autêntico testemunho de Deus, o primeiro mártir, ao qual se seguiram inumeráveis seguidores desde então. A Igreja de hoje é mais do que nunca uma Igreja de mártires e, portanto, uma testemunha do Deus vivo. Se com um coração vigilante olharmos à nossa volta e escutarmos, em toda a parte, entre as pessoas simples, mas também nas altas hierarquias da Igreja, podemos encontrar testemunhas que, com a sua vida e o seu sofrimento, estão comprometidas com Deus. É a preguiça do coração não querer reparar neles. Entre as grandes e fundamentais tarefas de nosso anúncio está, dentro dos limites de nossas possibilidades, criar espaços de vida para a fé e, sobretudo, encontrá-los e reconhecê-los.

Vivo numa casa em que uma pequena comunidade de pessoas descobre continuamente, na sua vida quotidiana, testemunhas do Deus vivo, indicando-as com alegria. Ver e encontrar a Igreja viva é uma tarefa maravilhosa que nos fortalece e que sempre nos alegra na nossa fé.

Sem comentários:

Enviar um comentário