Arquivo do blogue

domingo, 10 de maio de 2009

Bento XVI:"Através da Igreja, Cristo purifica os nossos corações, ilumina as nossas mentes, une-nos ao Pai e, num único Espírito






Cristo é a pedra viva, angular. Com Ele, também nós somos pedras vivas da Igreja una: Bento XVI na bênção da primeira pedra de duas novas igrejas

Na tarde deste domingo, Bento XVI deslocou-se á área do rio Jordão onde Jesus foi baptizado. Neste local o Papa procedeu á bênção das primeiras pedras das igrejas dos latinos e dos greco-melquitas; neste lugar o rei da Jordânia autorizou a construção de 5 igrejas das várias confissões e ritos cristãos.
Na alocução pronunciada nesta circunstância, Bento XVI congratulou-se com a próxima construção destas duas novas igrejas, uma latina e a outra greco-melquita – “cada uma delas segundo as tradições da própria comunidade”, mas ambas “para edificar uma única família de Deus”. E explicou o sentido da bênção da primeira pedra de cada um dos novos edifícios religiosos:

“A pedra alicerce da igreja é um símbolo de Cristo. A Igreja assenta sobre Cristo, é sustentada por Ele e não se pode separar d’Ele. É Ele a pedra fundamento de cada comunidade cristã, pedra viva rejeitada pelos construtores, mas escolhida e preciosa aos olhos de Deus como pedra angular”.

“Com Cristo – prosseguiu – cada um de nós se torna pedra viva na edificação de uma casa espiritual”. “É esta a realidade da Igreja: Cristo e nós, Cristo connosco. Ele está connosco como a vinha está com os seus próprios ramos. A Igreja é, em Cristo, uma comunidade de vida nova, uma realidade dinâmica de graça que brota d’Ele. Através da Igreja, Cristo purifica os nossos corações, ilumina as nossas mentes, une-nos ao Pai e, num único Espírito, leva-nos a exercitar diariamente o amor cristão”.

Referindo depois a memória ligada ao lugar onde serão construídas estas duas novas igrejas, na localidade de Betânia além-do-Jordão, afirmou Bento XVI:

“No lugar que está diante de nós apresenta-se-nos ao vivo a memória do baptismo de Cristo. Jesus meteu-se na fila dos pecadores e aceitou o baptismo de penitência de João, como um sinal profético da sua paixão, morte e ressurreição, para o perdão dos pecados”.

O Papa concluiu fazendo votos de que “a contemplação orante destes mistérios” encha de “alegria espiritual e de coragem moral” os fiéis, aos quais deixou uma exortação final:

“Promovei o diálogo e a compreensão na sociedade civil, especialmente quando reclamais os vossos legítimos direitos. No Médio Oriente, marcado por trágicos sofrimentos, por anos de violência e tensões por resolver , os cristãos são chamados a dar o seu contributo, inspirado pelo exemplo de Jesus , da reconciliação e da paz através do perdão e generosidade”.

Sem comentários:

Enviar um comentário